±SELLOUT±


 

Quando conheci ±MAISMENOS±, o artista, pedi-lhe que me autografasse com o seu logo típico o meu bíceps direito. Hoje em dia vive uma tatuagem nesse bíceps, tatuagem que também já foi decorada pelo seu logótipo. Parte do meu fascínio pelo artista é este símbolo, será uma anulação que reflecte o consumo como um estado de espírito nacional e internacional?

Aliás, num espectro mais amplo, parte do meu fascínio pelo mundo movido a marcas e a compras é também a brevidade do acto de compra e o seu entusiasmo ou êxtase; a dualidade de ±MAISMENOS± interpreta-a e eleva a questão a arte. Acredito que elevação, evolução e revolução na forma como se aborda a marca e a compra seja necessária, afinal é a constante que vivemos.

Esta minha relação com o logótipo, com a nódoa da marca e com o juízo feito primeiro à marca, depois ao conjunto, é muito peculiar, mas não me parece que seja o único que sofra com ela; é um mal dos tempos. A minha relação, com o ±MAISMENOS±, atenta e atenciosa, deixa-me também com a obrigação de escrever a sua acção e carácter, em adjectivos algo como nobre ou justa, termos tão terroristas nestes tempos.

Tornei-me amigo do Miguel, quando já era admirador do ±MAISMENOS± e a consequente separação entre indivíduo e artista permitiu-me uma visão mais atenta às temáticas interpretadas e à forma como eram interpretadas. Permitiu-me também ter uma noção alargada da sua obra.

E se essa obra veio a público com muita força através do enterro de Portugal, ato mediático e com um peso artístico tremendo, não deixou de ser divertido o quanto a linguagem de ±MAISMENOS± se cruzava com a do país moribundo. Ora, a crise, os decisores externos, a miséria, o tudo e o nada, eram de todos. Não eram só discurso de ±MAISMENOS±, ou reflexão acerca do mercado, eram Portugal.

Suspeito que é aqui que uma exposição ±SELLOUT± se começa a tornar necessária. Um artista sem rosto torna-se o rosto de um estado de sítio que se vive. Há manifestações e escreve-se silêncio, em maiúsculas, na Rua do Alecrim. Há brutalidade policial e um Fernando Pessoa que se torna jornalista. A arte afirma-se, com estilo, com conceito e com raciocínio.

Eram um crescimento comparado com as frases clássicas de ±MAISMENOS±, mas elas voltam para me ameaçar a mim, e aos outros escritores que se prezam, de tão incisivas. Também tão incisiva e com uma maturidade notória é a exposição ±SELLOUT±, onde convivem bandeiras, caixões, património, balas, dívida. Vende-se tudo e vende-se nada, não é?

Junto do coolturelle de Lisboa de meados dos anos 10, assisti à inauguração da exposição a solo de um artista que respira o diálogo internacional e actual, mas não perde os detalhes à portuguesa, o portuguesinho dos costumes e o típico português; à escala global, à Amadeo de Souza Cardoso.

Afinal, temos todos estes dramas, mais ou menos.

Fotos de Maria Rita.

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.