Pitchfork: o início do papel, na era digital


Em contra corrente. A Pitchfork, uma das publicações online de referência no mundo da música, anunciou a sua passagem para o papel, depois de 17 anos apenas em formato digital. A revista impressa vai ter uma periodicidade trimestral.

Numa era cada vez mais tomada pelo digital, e em que publicações abdicam do papel para se dedicarem apenas ao online, os responsáveis da Pitchfork resolveram fazer o percurso inverso. Uma revista que aparece como forma a valorizar a fotografia, os artigos mais extensos, a grande reportagem na área da música. Áreas que, para os responsáveis da publicação, acabam por ser desaproveitadas no online.

“Meant to be kept on your shelf and read and enjoyed over the long term.”

Para ser apreciado a longo prazo, é o que se pode ler no site da nova Pitchford Review. Valores sublinhados na nova publicação, e que nos fazem duvidar se estarmos realmente a ler isto em 2013. Mas é mesmo verdade. E o primeiro número vai ser lançado já no próximo dia 14 de Dezembro, depois de vários anos de planeamento, tal como adiantou Chris Kaskie, presidente da Pitchfork, no lançamento da revista impressa. Até ao dia do lançamento, as assinaturas anuais fica-se pelo 44,99 dólares. Já cada edição individual da revista faz homenagem ao ano de nascimento do site online e vai fixar-se no preço simbólico de 19,96 dólares.

A Pitchfork Review vai estar disponível através de assinatura, no site da publicação, mas também nalgumas bancas de jornais dos Estados Unidos e do resto do mundo.

A Pitchfork é um dos mais reconhecidos sítios online sobre música independente. Recebe, mensalmente, mais de cinco milhões de visitas. A primeira edição da revista, impressa, vai ter cerca de dez mil exemplares.