Optimus Primavera Sound 2014: o cartaz


Ficámos a conhecer, dia 7 de Fevereiro, o cartaz completo do Optimus Primavera Sound. O festival, que teve a sua primeira edição em Portugal em 2012, volta a realizar-se no Parque da Cidade, no Porto, nos dias 5, 6 e 7 de Junho.

À primeira vista, é inevitável a comparação com o cartaz do irmão mais velho de Barcelona, anunciado dia 28 de Janeiro. Faltam-nos alguns dos cabeças de cartaz, já confirmados noutros festivais (leia-se Arcade Fire e Queens of the Stone Age no Rock In Rio), e alguns nomes interessantes que gostaríamos de ver em Portugal (por outras palavras: Nine Inch Nails, Disclosure, Metronomy, Real Estate, Cut Copy, Black Lips). Ainda assim, o line up da edição do Porto é original, cativante e refrescante.

Com um cartaz eclético, a edição de 2014 do Optimus Primavera Sound traz-nos The National, uns Pixies com novo EP e sem a baixista Kim Deal, Kendrick Lamar em estreia absoluta, Caetano Veloso e Neutral Milk Hotel como cabeças de cartaz.

À semelhança dos anos anteriores, as surpresas são muitas. A confirmação dos recém reunidos Slowdive, que se juntam a Godspeed You! Black Emperor, Slint e Mogwai para uma boa dose de post-rock e shoegaze é, certamente, uma delas.

Para nos trazer à memória o noise rock e o lo-fi a que nos habituou na edição de 2013, este ano temos bandas como Cloud Nothings e Ty Segall. Vindas do outro lado do Atlântico (Cleveland e São Francisco, respectivamente), as bandas trazem-nos um pop punk e indie barulhento, frenético e adolescente. Here And Nowhere Else é o nome do próximo álbum dos Cloud Nothings, que sai em Abril, e que procede Attack On Memory, o LP de 2012 que deu visibilidade à banda e que foi considerado Best New Music para a Pitchfork. Steve Albini, que assumiu a sua produção, vai também estar presente neste Primavera Sound, tal como no ano passado, a assumir a voz e a guitarra dos Shellac.

Com novo álbum lançado em Janeiro, intitulado Too True, as Dum Dum Girls juntam o seu dream pop a bandas como Haim ou Warpaint para se encarregarem de algumas das vozes femininas que se vão poder ouvir ao longo dos três dias. St. Vincent vem finalmente a Portugal, após ter cancelado os concertos com David Byrne nos Coliseus, agendados para Setembro de 2013.

Os DARKSIDE são, provavelmente, a confirmação mais interessante da parte da electrónica. A dupla que junta o DJ Nicolas Jaar com o multi-instrumentista Dave Harrington estreia-se em Portugal em Junho e promete ambientes sónicos que juntam música electrónica e sintetizadores modernos com a subtileza da guitarra eléctrica.

A não perder, destacamos ainda a confirmação dos Television. A banda de Nova Iorque vem a Portugal tocar, na íntegra, o clássico Marquee Moon. O álbum de 1977 é um dos mais influentes do movimento punk da década de 70 e um álbum marcante na história da guitarra eléctrica, muito por causa da interacção e química dos guitarristas Tom Verlaine e Richard Lloyd.

Os longos relvados do Parque da Cidade e uma cidade do Porto sempre pronta a ser visitada juntam-se assim a um cartaz de luxo para três dias de rock alternativo, lo-fi, indie, punk, uma pop sempre com bom gosto e electrónica. O bom ambiente está garantido num festival único em Portugal que, certamente, veio para ficar.