Optimus Primavera Sound 2014: o cartaz


 

Ficámos a conhecer, dia 7 de Fevereiro, o cartaz completo do Optimus Primavera Sound. O festival, que teve a sua primeira edição em Portugal em 2012, volta a realizar-se no Parque da Cidade, no Porto, nos dias 5, 6 e 7 de Junho.

À primeira vista, é inevitável a comparação com o cartaz do irmão mais velho de Barcelona, anunciado dia 28 de Janeiro. Faltam-nos alguns dos cabeças de cartaz, já confirmados noutros festivais (leia-se Arcade Fire e Queens of the Stone Age no Rock In Rio), e alguns nomes interessantes que gostaríamos de ver em Portugal (por outras palavras: Nine Inch Nails, Disclosure, Metronomy, Real Estate, Cut Copy, Black Lips). Ainda assim, o line up da edição do Porto é original, cativante e refrescante.

Com um cartaz eclético, a edição de 2014 do Optimus Primavera Sound traz-nos The National, uns Pixies com novo EP e sem a baixista Kim Deal, Kendrick Lamar em estreia absoluta, Caetano Veloso e Neutral Milk Hotel como cabeças de cartaz.

À semelhança dos anos anteriores, as surpresas são muitas. A confirmação dos recém reunidos Slowdive, que se juntam a Godspeed You! Black Emperor, Slint e Mogwai para uma boa dose de post-rock e shoegaze é, certamente, uma delas.

Para nos trazer à memória o noise rock e o lo-fi a que nos habituou na edição de 2013, este ano temos bandas como Cloud Nothings e Ty Segall. Vindas do outro lado do Atlântico (Cleveland e São Francisco, respectivamente), as bandas trazem-nos um pop punk e indie barulhento, frenético e adolescente. Here And Nowhere Else é o nome do próximo álbum dos Cloud Nothings, que sai em Abril, e que procede Attack On Memory, o LP de 2012 que deu visibilidade à banda e que foi considerado Best New Music para a Pitchfork. Steve Albini, que assumiu a sua produção, vai também estar presente neste Primavera Sound, tal como no ano passado, a assumir a voz e a guitarra dos Shellac.

Com novo álbum lançado em Janeiro, intitulado Too True, as Dum Dum Girls juntam o seu dream pop a bandas como Haim ou Warpaint para se encarregarem de algumas das vozes femininas que se vão poder ouvir ao longo dos três dias. St. Vincent vem finalmente a Portugal, após ter cancelado os concertos com David Byrne nos Coliseus, agendados para Setembro de 2013.

Os DARKSIDE são, provavelmente, a confirmação mais interessante da parte da electrónica. A dupla que junta o DJ Nicolas Jaar com o multi-instrumentista Dave Harrington estreia-se em Portugal em Junho e promete ambientes sónicos que juntam música electrónica e sintetizadores modernos com a subtileza da guitarra eléctrica.

A não perder, destacamos ainda a confirmação dos Television. A banda de Nova Iorque vem a Portugal tocar, na íntegra, o clássico Marquee Moon. O álbum de 1977 é um dos mais influentes do movimento punk da década de 70 e um álbum marcante na história da guitarra eléctrica, muito por causa da interacção e química dos guitarristas Tom Verlaine e Richard Lloyd.

Os longos relvados do Parque da Cidade e uma cidade do Porto sempre pronta a ser visitada juntam-se assim a um cartaz de luxo para três dias de rock alternativo, lo-fi, indie, punk, uma pop sempre com bom gosto e electrónica. O bom ambiente está garantido num festival único em Portugal que, certamente, veio para ficar.

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.