HipHop, o Popcorn Time da música (de que ninguém ouviu falar)


Quando o Popcorn Time apareceu, foi rapidamente apelidado de “o Netflix pirata”. O buzz em torno do novo serviço foi enorme, causando inclusive dores de cabeça na indústria cinematográfica. Agora há um Popcorn Time da música, chama-se HipHop e ninguém está a falar dele.

Montado nos mesmos moldes do Popcorn Time, o HipHop é como que um Spotify/Rdio/Deezer pirata. Tem mais de 45 milhões de música, praticamente o dobro das 26 milhões de faixas actualmente disponíveis na iTunes Store. Para usar o serviço (que é livre de publicidade) não é preciso qualquer registo.

No HipHop não existem álbuns, nem páginas de artistas. A biblioteca é uma lista de faixas, que podem ser organizadas em playtlists. Existe uma playlist automática com as faixas que estão nos tops e outra com o nosso histórico.

O HipHop apareceu há poucas semanas, mas mesmo assim ninguém está a falar dele. Nem mesmo a imprensa. Porquê?

  1. os serviços de streaming de música (Spotify, Rdio, Deezer…) estão mais massificados que os de filmes e séries (o Netflix existe unicamente num grupo restrito de países, onde não está Portugal, por exemplo).
  2. o Netflix praticamente monopoliza o mercado de streaming de filmes e séries. No de streaming de música, existe concorrência e isso significa não só melhor oferta, como também melhores preços.
  3. os serviços como o Spotify organizam o catálogo de música por álbuns e artistas. NO HipHop, a biblioteca é apenas uma lista de faixas: não é possível ir para a página de um artistas ou pesquisar por um álbum específico.
  4. no HipHop não existe a vertente social (saber aquilo de que os amigos gostam), nem tão pouco a parte de descoberta de novos artistas e de novos estilos.
  5. ao contrário do Netflix, o Spotify e os outros têm um plano gratuito, que permite o acesso a toda a biblioteca de música.