A TED está de férias


“Não serão publicados novos [vídeos] TED Talks até 4 de Agosto, enquanto a maioria do pessoal da TED tira duas semanas de férias”, escreveu Emily McManus, editora do site da fundação americana conhecida pelas suas conferências.

Para quem gosta daquilo que faz, o trabalho parece não ter peso. Mas a verdade é que um período de férias é essencial para que os trabalhadores, mesmo os mais agarrados aos seus projectos, não se sintam física e psicologicamente desgastados. Mesmo para os workaholics, a pressão do trabalho pode reflectir-se nos resultados que apresentam se não souberem quando fazer uma pausa.

“Quando temos uma equipa de [trabalhadores] apaixonados, dedicados a superar as expectativas, não é necessário pressioná-los a trabalhar mais, é preciso ajudá-los a descansar”, explicou June Cohen, Produtora Executiva da TED.

Assim, desde 2009, a maioria dos funcionários desta fundação é afastada das suas secretárias, exilada dos escritórios e obrigada a fazer o que bem entender durante duas semanas.

Trabalhadores mais produtivos, mais criativos e prontos a “agarrar o touro pelos cornos” quando regressados à rotina são os resultados desta medida da TED.

A ideia de todos, ou de quase todos, os funcionários poderem tirar férias ao mesmo tempo é muito atractiva. Mas antes de começarem a ensaiar a forma como vão sugerir isto aos vossos patrões, com promessas de maior produtividade, é preciso ter algumas coisas em mente: apesar de a TED permanecer em actividade o ano inteiro, o trabalho é centrado nas conferências, em acontecimentos agendados com muita antecedência, e por isso, ao contrário do que se passa em tantas outras empresas, é fácil prever períodos de menor actividade que permitam o descanço do pessoal; além disso, os projectos orientados e organizados pela fundação requerem o input constante de vários funcionários, o que significa que estes não devem tirar férias intercaladas sob o risco de faltar pessoal qualificado para desempenhar determinadas funções.

Para a TED, esta é também a forma mais eficaz de manter os trabalhadores offline: “O escritório principal está vazio (e este ano a WiFi também vai ser desligada de forma intermitente). E mantemo-nos afastados do e-mail. Se deixarmos de receber e-mails, podemos todos descansar sem nos preocuparmos com o que estamos a perder no escritório”, publicou McManus no site da fundação, atestando a infalibilidade da medida em garantir que os funcionários voltem ao trabalho revigorados.

Claro que ficam sempre alguns para trás para se certificarem de que o site não vai abaixo ou para cumprirem com compromissos contratuais cujas datas estejam sobrepostas com o período de férias.

De qualquer forma, a TED afirma-se como crente devota na importância de manter os funcionários felizes. Até porque, como diz June Cohen: “O que é bom para a equipa, é bom para o negócio”. Até Agosto, não vale a pena esperar pela publicação de conteúdo novo no site: a TED está de férias.

E se ainda restam dúvidas sobre os benefícios do repouso, fica um vídeo de uma das conferências organizadas pela fundação americana sobre o que pode resultar de um ano sabático: