Arte vista dos céus


Já não é novidade as favelas do Rio de Janeiro servirem de tela para intervenções de arte, principalmente em dimensões gigantescas. Em 2008, no Favela Morro da Providência, o artista plástico JR lançou o projecto WOMEN ARE HEROES, cuja galeria pode ser vista no vídeo oficial aqui.

Contudo, foi em Maio deste ano que os moradores do Morro do Alemão foram surpreendidos com a primeira exposição aérea no país. Deu na Telha é o nome do projecto que está dividido em duas fases igualitárias, com um total de 22 obras.

artevistadoceu_03
Obra do artista Nicolau Mello

Foi desenvolvido por dez artistas da região, moradores da comunidade e o grupo Colectivo Gráfico, com o qual o Shifter teve o prazer de falar.

Colectivo Gráfico. Quem são vocês?

O Coletivo Gráfico nasceu em 2010, com a junção de amigos de faculdade, que já faziam intervenções nas ruas e começaram a fazer ações em conjunto. No decorrer das ações, começamos a criar as imagens em conjunto, criando uma estética particular do Coletivo Gráfico. Somos 8 integrantes, todos oriundos do atelier de gravura da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

Lemos num artigo que este projecto é considerado a primeira exibição de arte aérea do Brasil. O artista plástico JR já tinha feito algo parecido. O que vos diferencia?

Sobre o Projeto “Deu na Telha” em si, acho que o diferencial foi a contra partida de dar curso no Alemão, comunidade aonde foram instaladas as obras.

artevistadoceu_02
Piscina – obra elaborada pelo grupo Colectivo Gráfico

O projeto, que tem assinatura da Kibon e do Ministério da Cultura, foi idealizado pela Open, braço de ativação da Borghi/Lowe. Como se sentiram quando receberam o convite de participar neste evento?

Ficamos animados, ter a nossa arte num espaço como o Alemão é muito legal para nós, ter dado a oficina de cartaz foi mais legal ainda.

Como correu toda esta logística de pintar mais de 680 metros quadrados de lonas? Têm noção quantos litros de baldes de tinta foram gastos?

Nenhuma arte foi produzida neste tamanho de 680, elas foram criadas em tamanhos de 96cmx66cm, e depois foram ampliadas em uma gráfica. Nós não usamos tinta, a primeira obra foi uma foto, que imprimimos em 96x66cm e depois intervimos com caneta por cima. A segunda obra é uma colagem de papel no mesmo formato, depois inserida virtualmente em uma foto.

Quais os nomes das vossas peças e qual foi o critério de escolha?

As nossas obras não tem nome em si, mas é uma foto em uma piscina de plástico e a segunda é um besouro criado por nós.

artevistadoceu_05
Besouro – obra criada pelo grupo Colectivo Gráfico

A primeira fase, com o tema “Felicidade”, terminou dia 30 de Junho e neste momento, já estão expostas as 11 obras que vão dar alegria ao Morro até setembro deste ano com o tema “Brasilidade”.

É de destacar ainda a participação de uma artista plástica portuguesa, Susana Anágua.

artevistadoceu_04
Obra de Susana Anágua

(fotos do blogue Rio Dji Hen)