Já não és obrigado a usar o teu nome verdadeiro no Google+


Três anos depois, a tortura do nome verdadeiro no Google+ (e, mais recentemente no YouTube) terminou. Agora já podes usar uma alcunha ou qualquer outro nome no teu perfil Google, tal como fazes no Twitter. “Pedimos desculpa”, referiu a Google, em comunicado.

Desde o início, em 2011, o Google+ obrigou-te a usar sempre o nome verdadeiro no teu perfil, algo a que te habituaste com o Facebook, mas a que o Twitter sempre fugiu. A política de nome verdadeiro foi, provavelmente, a que colocou alguma ordem no Facebook e no Google+. Todavia, é interessante olhar para como o uso de alcunhas resulta bem no Twitter.

O problema é que o Google+ chegou depois. Se já sabias ao aderir ao Facebook que tinhas de usar o teu primeiro e último nome (João Silva), no Google começaste por usar um username (jgsilva) – no Youtube, por exemplo – ou então só um nome (João). “Quando lançámos o Google+ há 3 anos, colocámos uma série de restrições ao nome que podias usar no teu perfil. Isto ajudou a criar uma comunidade de pessoas reais, mas excluiu um conjunto de pessoas que queriam fazer parte dela sem usar os seus nomes verdadeiros”, referiu a Google, em comunicado.

Com a introdução do Google+, a Google foi tornando-o obrigatório ao longo dos seus vários produtos. No Gmail, no YouTube, no Maps, no Blogger e no Drive passaste a ter de usar o teu nome verdadeiro para teres acesso a novas funcionalidades ou para usares as antigas (como comentar vídeos no YouTube).

“Sabemos que a nossa política de nomes nunca foi muito clara, e provocou algumas experiências difíceis e desnecessárias para alguns utilizadores. Por isso, pedimos desculpa”, acrescentou a Google.