Ninguém quer voar com a Malaysia Airlines


A companhia aérea Malaysia Airlines está a fazer gastos diários de 2.16 milhões de dólares e a ter um prejuízo de 1.6 milhões de dólares (aproximadamente 1.2 milhões de euros) por dia devido ao reduzido número de passageiros que segue em cada voo, explicou o Professor Oliver McGee, da Universidade de Howard, em Washington.

Estes valores alarmantes têm vindo a registar-se depois dos dois acontecimentos trágicos que envolveram aviões da companhia este ano. Em Março, o voo 370, que fazia a ligação entre Kuala Lumpur e Beijing, desapareceu misteriosamente juntamente com as 239 pessoas que seguiam a bordo. E em Julho, com um intervalo de menos de cinco meses do primeiro incidente, o voo 17 da mesma companhia foi atingido por um míssil terra-ar no espaço aéreo da Ucrânia quando seguia de Amesterdão para Kuala Lumpur, despenhando-se e matando os 283 passageiros e os 15 membros da tripulação.

Meses antes destes acontecimentos, a Malaysia Airlines já estava a experienciar dificuldades financeiras devido à queda das suas acções na Bolsa, mas apesar disso continuou em actividade.

Agora, com o nome associado à morte de centenas de pessoas de todas as partes do mundo, é possível que a companhia venha a abrir falência se não mudar completamente a sua estratégia de marketing e se o número de passageiros não aumentar.

Para já, a companhia tem investido na renegociação dos acordos com agências de viagens e na oferta de generosos descontos aos seus passageiros. Segundo o site australiano news.com.au, a Malaysia Airlines aumentou as comissões dos agentes de viagens australianos de 6% para 11% sobre todos os voos que partirem daquele país. Para os passageiros, oferece viagens a quase metade do preço, comparando com outras companhias.

O fundo de investimento da Malásia Kasanah Nasional, mostrou interesse em comprar os restantes 31% da companhia aérea que ainda não possui. Se a compra se verificar, a Malaysia Airlines passará a pertencer totalmente ao Estado, existindo a possibilidade de vir a mudar de nome, numa estratégia para tentar afastar a negatividade que lhe está associada, de acordo com o Mashable.

Apesar dos dois enormes desastres, a hipótese de morrer num acidente de avião é de 1 para 11 milhões. Vários utilizadores do Reddit falam da má fama da companhia como uma oportunidade para conseguir viagens a preços muito baixos, o que pode jogar a favor daquela empresa:

“Irão sempre existir pessoas racionais que tomarão proveito de quaisquer descontos nas tarifas aéreas, sabendo perfeitamente que é seguro”, escreveu Ubergeeek no fórum.

“Só um idiota ou uma pessoa supersticiosa não voaria com eles depois do que aconteceu. A Malaysian Airlines tem sido sempre uma companhia muito boa. Não tão boa quanto a de Singapura, mas a Singapore Airlines é muito mais cara”, expôs o utilizador @thracc.

As opiniões dividem-se, mas tornou-se claro que o número de pessoas que têm receio de viajar naqueles aviões é muito elevado. Apesar das estratégias que têm sido postas em prática e dos passageiros que ainda tomam decisões tendo apenas em conta os melhores preços, este pode ser o fim da Malaysia Airlines.