Shawn Mendes começou a cantar no Vine. Esta semana chegou ao nº 1 do iTunes


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Justin Bieber é canadiano e ascendeu ao estrelato aos 15 anos, catapultado pelo sucesso que tinha no YouTube. Shawn Mendes também. Basta apenas trocar You Tube por Vine – um upgrade inevitável entre 2007 e 2014. Mas ele não se importa com as comparações e até assegurou aos fãs que eles nunca o irão ver em duetos com Nicki Minaj.

Promessas aparte (porque valem o que valem), fica a história de sucesso de um miúdo de 15 anos que provou, não só, que é possível fazer covers interessantes em vídeos de 6 segundos como também é possível colecionar, num curto espaço de tempo, uma vasta legião de seguidores. Falamos de milhões: 2,8 no Vine, 1,5 no Twitter. A Island Records foi atrás dele. E, pouco depois, todas as outras grandes editoras discográficas fizeram o mesmo. Porque falamos de milhões.

O primeiro single do jovem, Life of the Party, entrou diretamente para o número 24 da lista HOT 100 da Billboard e vendeu 148 mil cópias – números gordos, num tempo em que cada vez menos jovens estão dispostos a pagar para ouvir música.

Esta semana, Shawn Mendes lançou o seu EP. Usou o Twitter para apelar aos seguidores que ouvissem o seu trabalho. Qual toque (perdão, tweet) de midas: o milhão e meio de seguidores não o deixaram ficar mal, tornando a hashtag #ShawnToNumber1 tendência mundial. Em 37 minutos, o EP alcançou o 1º lugar de downloads no iTunes. E continuamos a falar de milhões.

É o hype do momento. O Huffington Post diz que este não é apenas mais um artista entre tantos. Provavelmente disse o mesmo acerca de Bieber, em 2007. Mas para acabar de vez com as comparações ridículas, fica o pormenor: Shawn Mendes é luso-descendente. Justin Bieber não.

#portugal

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!