A nova morada da Terra: “Sistema Solar, Via Láctea, Laniakea”


A nossa galáxia, a bem conhecida Via Láctea, tem finalmente um lar na imensidão do Universo. A nova morada chama-se Laniakea, e constitui um super-cluster (algo como super-aglomerado) de galáxias.

Este super-cluster foi identificado por cientistas da Universidade de Havai, em Manoa, nos Estados Unidos e a sua descoberta alvo de publicação pela revista Nature esta quinta-feira. A equipa, liderada por R. Brent Tully, recorreu ao telescópio Green Bank, do Observatório Nacional de Astronomia de Rádio (ONAR), na Virgínia Ocidental, para mapear e definir as fronteiras desta nova entidade espacial.

Observando cerca de 8000 galáxias nas nossas proximidades, os investigadores conseguiram traçar um padrão de movimento e perceber quais os corpos celestes que se estão a aproximar e a afastar da Via Láctea.

Como se sabe, o Universo estará em expansão desde o Big Bang, e como tal a maior parte das galáxias está a afastar-se. Contudo foram observados certas galáxias que se estão a aproximar da nossa, sob a força de uma energia gravítica.

laniakea_02

Este efeito deve-se à existência de um forte centro gravítico no interior do super-cluster, denominado de Great Attractor que exerce um forte poder de atracção sobre as galáxias.

Através de um algoritmo que levava em linha de conta a massa das galáxias e a existência de zonas de vazio entre elas, conseguiram determinar os limites aproximados deste super-cluster que denominaram de Laniakea, uma palavra com origem nos vocábulos hawaiianos Lani (céu) e Akea (incomensurável). Este super-cluster estende-se então ao longo de 520 milhões de anos-luz albergando cerca de 100.000 galáxias com um total de 100.000 biliões de estrelas. A nossa galáxia encontra-se na periferia de Laniakea, como se pode observar na imagem abaixo.

laniakea_03

R. Brent Tully, líder do projecto, ilustrou esta descoberta da seguinte maneira: “Isto não anda longe de quando se descobre que a nossa cidade afinal faz parte de um país maior que tem fronteiras com outras nações.” Uma descoberta que torna mais completo o conhecimento que possuímos sobre o Universo e sobre o nosso local na sua imensidão.

A percepção de que existem estruturas mais complexas, com padrões de atracção entre si, permitir-nos-á caracterizar melhor o que nos rodeia e decerto entender melhor a origem e evolução do Universo.

No vídeo a seguir, da revista Nature, mostra-se com notável detalhe todo o processo que levou à definição dos limites da Laniakea.