Discurso de Emma Watson ganha ainda mais força depois de ameaças no 4Chan


No passado domingo a actriz e Embaixadora da Boa Vontade das Nações Unidas Emma Watson discursou em Nova-Iorque sobre a importância da igualdade entre géneros, apelando a homens e mulheres a juntar-se-lhe na campanha “HeForShe”. As poderosas palavras foram recebidas com uma ovação de pé pelos vários altos dignatários e embaixadores da ONU presentes. E com vários insultos e ameaças por vários utilizadores da plataforma 4Chan.

Depois do discurso um utilizador anónimo daquela imageboard, que por demasiadas vezes surge associada a cenários de discriminação, criou um site com uma contagem decrescente, indicando que fotografias íntimas da atriz serão publicadas no final do período indicado. A ser verdade, a actriz que dá a cara e a voz pelos direitos não só das mulheres mas de todos os seres-humanos juntar-se-á às várias vítimas que viram imagens suas ser expostas a olhos a que não estavam destinadas.

Num acto que rapidamente inflamou as mentes mais perversas, foi negado o direito à privacidade de mulheres como Jennifer Lawrence, Aubrey Plaza, Kate Upton e Rihanna. Choveram comentários violentos e sexistas em várias plataformas e redes sociais e houve até quem se atrevesse a culpar as actrizes, modelos e cantoras não só pelo sucedido (elas é que não deveriam ter as fotografias nos telemóveis) como pela atenção negativa que estavam a receber.

Na sua conta do Twitter, Emma Watson escreveu:

Agora, depois de ter convidado todos os homens a juntar-se a uma causa que é facilmente apontada como sendo do exclusivo interesse das mulheres, mas que na verdade visa dar as mesmas oportunidades a todas as pessoas independentemente do género com que nasceram, Emma acaba por ser atacada e ameaçada mesmo tendo proferido palavras desprovidas de qualquer tom de reprimenda ou acusação.

É provável que tudo não passe de uma partida de mau gosto de um qualquer troll típico do 4Chan. Mas o “debate” que se gerou em algumas páginas da plataforma, para as quais o Shifter não cederá os links, a par com outros meios de comunicação, por conterem imagens verdadeiramente perturbantes, envolve comentários e “argumentos” reveladores de tamanha ignorância que acabam por ilustrar perfeitamente o problema que se pretende resolver:

Isto é real e vai acontecer este fim-de-semana. Aquela cabra feminista da Emma vai mostrar ao mundo que é tão pega como qualquer mulher

“[…] ela faz discursos feministas estúpidos para a ONU e agora as fotografias dela nua vão estar online, HAHAHAHAHAHAHAH

E estes são alguns dos menos agressivos. De facto, é importante oferecer as mesmas oportunidades a todos os seres-humanos. Não é só uma batalha das mulheres. Só através da educação é que podemos sair deste paradigma da subjugação de outros alimentado por pura falta de conhecimento. No discurso, Emma Watson fala do número de meninas em África que não têm acesso ao ensino secundário. Mas também é importante falar do número de homens e mulheres do mundo inteiro que não têm acesso à educação de valores humanos, que não compreendem que fazem parte de uma sociedade e que não fazem ideia de quem são.

É vergonhoso e ofensivo para as mulheres ler aquilo a que são reduzidas por algumas mentes mais limitadas com acesso a um computador e com meia dúzia de palavras a preencher-lhes o vocabulário. Mas é também vergonhoso para qualquer homem verdadeiro, que compreende o significado da palavra feminismo e que faz uso da sua racionalidade, ver o seu género associado a demonstrações tão grandes de ignorância e bestialidade. Somos todos vítimas de actos como este.

Os media não têm só o dever de informar, têm o dever de fornecer os meios para que as pessoas possam formar opiniões fundamentadas sobre o que acontece à sua volta sem perpetuar o racismo, o sexismo ou a discriminação de qualquer tipo. E neste ponto, capas como a do tabloid Daily Star falham redondamente:

Felizmente, as comunidades cibernautas deram-se conta de tudo isto e a onda de solidariedade que se tem levantado desde que as ameaças dos hackers foram feitas mostra como o mundo não só está pronto para mudar como anseia por essa mudança. Muitas foram as pessoas que se elevaram para mostrar desagrado e revolta pelo que se tem passado e já são várias as caras conhecidas que apoiam a campanha “HeForShe”:

Da mesma forma que não devem ser toleradas agressões físicas, não devem ser tolerados actos de denigração da imagem de qualquer sujeito. Depois de ver o discurso da Emma Watson para a ONU, não faz sentido alguém levar as suas palavras como uma ofensa ou um ataque. A única razão possível é simplesmente não terem sido compreendidas. E nesse caso é do interesse de todos lutar para que todos compreendam. Não se quer tirar oportunidades a ninguém. Não se pretende retirar direitos aos homens para dar às mulheres. Pretende-se igualar os dois géneros, não criar facções.