O WhatsApp é oficialmente do Facebook


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Depois do OK de Bruxelas, o negócio está concluído. O WhatsApp pertence oficialmente ao Facebook, um negócio que custou à segunda 19 mil milhões de dólares (13,9 mil milhões de euros). Jan Koum, até aqui o CEO do WhatsApp, integra agora o quadro directivo do Facebook.

O Facebook anunciou a intenção de comprar o WhatsApp em Fevereiro. Em Abril, a Comissão Federal de Comércio (FTC) norte-americana deu o parecer positivo ao negócio. Agora foi a vez da Comissão Europeia o fazer. “A Comissão concluiu que o Facebook Messenger e o WhatsApp não são concorrentes próximos e que os consumidores vão continuar a ter após a transacção uma ampla escolha de aplicações de comunicação alternativas”, disse o regulador europeu, num comunicado emitido nesta sexta-feira.

Bruxelas disse ainda que, mesmo após esta aquisição, o Facebook continuará “a enfrentar concorrência suficiente”, como o Skype da Microsoft, o Viber ou o Hangouts da Google: trata-se de um mercado dinâmico e em constante crescimento, diz a Comissão Europeia.

De acordo com os últimos dados, o WhatsApp tem 600 milhões de utilizadores e o Facebook tem 1,3 mil milhões, dos quais cerca de 300 milhões usam a app Facebook Messenger. Mark Zuckerberg prometeu continuar a desenvolver o WhatsApp de forma independente e afastado da sua plataforma de anúncios.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!