Pyotr Pavlensky cortou lóbulo da orelha em protesto em frente a centro psiquiátrico


Em 2012 coseu os lábios em protesto contra a prisão da banda russa Pussy Riot. Em 2013 enrolou-se em arame farpado em frente à Assembleia Legislativa de S. Petersburgo em protesto contra o governo russo. Ainda no mesmo ano, pregou o escroto à Praça Vermelha, em Moscovo, em protesto contra a apatia, indiferença e fatalismo da sociedade russa moderna.

Recentemente, no dia 19 de Outubro, Pyotr Pavlensky, o artista russo que se tornou numa das figuras mais controversas dos últimos tempos subiu ao terraço de um prédio em frente ao Centro Psiquiátrico de Serbsky, em Moscovo, e cortou o lóbulo da orelha direita com uma faca de cozinha em protesto contra o uso de psiquiatria “para fins políticos”.

De acordo com as imagens, Pavlensky deslocou-se até ao limite do terraço do prédio, onde se sentou, completamente nu, e cortou o lóbulo da orelha, permanecendo em seguida sentado a olhar em frente, inexpressivo, enquanto sangue lhe escorria pelo corpo. No local estavam dezenas de pessoas a assistir.

Segundo o jornal The Guardian, mal chegou, a polícia arrastou-o do sitio onde se encontrava e levou para receber tratamento hospitalar. O advogado do artista russo, Dmitry Dinze contou ao jornal que Pyotr Pavlensky não apresenta complicações permanentes devido à mutilação da orelha e que este deverá ter alta nos próximos dias.

pavlensky_protestoorelha_02

Pavlensky terá deixado uma declaração, no domingo, na página de facebook da sua mulher, onde escreveu: ”Armado com diagnósticos psiquiátricos, o burocrata, com a sua bata de laboratório branca, isola da sociedade as peças que o impedem de estabelecer um ditado monolítico de uma única norma mandatária para toda a gente”.

O Centro Psiquiátrico de Serbsky tem sido falado nos media internacionais por alegadamente apresentar falsos diagnósticos a dissidentes, que acabam por ficar detidos nas instalações para receber tratamento desnecessário.

Em Fevereiro, o artista russo lutou contra um diagnóstico de insanidade no mesmo centro psiquiátrico depois de ter participado em protestos em Moscovo e esta segunda-feira terá sido novamente submetido a avaliação médica, acabando por ser considerado são em ambas as situações.