UberCHOPPER: uma viagem diferente sobre Lisboa e o Tejo


A passada sexta-feira, 31 de Outubro, marcava não só mais uma noite de Halloween como também a data do anunciado evento da Uber. O UberCHOPPER foi uma iniciativa destinada a todos aqueles que queriam sobrevoar Lisboa de helicóptero, por apenas 135 euros (preço de grupo para 3 pessoas). Nós estivemos por lá e decidimos contar-te (quase) tudo.

Para este ser um verdadeiro dia Uber, a viagem teria de começar desde logo com o actual serviço disponível em Lisboa – UberBlack. De BMW Serie 5 até ao heliporto de Algés, uma viagem serena e de luxo, como é apanágio da marca. Um serviço (ida e volta) incluído no preço de 135€ relativo ao UberCHOPPER.

Já no heliporto, era notória a forte presença da Uber. Alex Czarnecki, Launcher da marca, e Filipa Corrêa Mendes, responsável de marketing em Portugal, estavam integrados numa equipa de várias pessoas ligada à Uber, que tratavam de acompanhar permanentemente os aventureiros que aceitaram o desafio UberChopper. Também por lá se notava a presença e simpatia dos pilotos e assistentes da Lisbon Helicopters – a empresa parceira da Uber neste evento. O ambiente era de plena descontração e divertimento, ao som de boa música que acompanhava uma área lounge com bebidas à disposição de quem por lá passou. Um dia diferente para todos aqueles que ousaram desfrutar do serviço mais arrojado da marca.

Um baptismo de voo especial

Foi certamente um prazer para todos, mas terá sido um prazer ainda maior para as netas de José Carrelhas, presidente da Associação António de Bacelar Carrelhas. Um exemplo especial deste candidato a avô do ano, que resolveu levar as suas netas para um baptismo de voo diferente. Afinal de contas, não é todos os dias que podemos ver o Tejo e a cidade de Lisboa a partir das nuvens.

Até à próxima?

O dia terminou após muitos voos, sorrisos e (talvez demasiadas) selfies. Uma oportunidade única que poderá muito bem deixar de sê-lo. Na verdade, o UberCHOPPER é um evento que já aconteceu noutras cidades do mundo e com a mesma duração de apenas um dia. Contudo, e se assim se justificar, poderá voltar a Lisboa, quem sabe, mais cedo do que imaginamos.

Imagem: Guilherme Braz e Mariana Dias
Edição: Guilherme Braz

(Miguel Mestre contribuiu neste artigo.)