O que tem Criolo para nos dizer?


Não é segredo para os mais atentos que Criolo é um dos nomes da cena hip-hop brasileira contemporânea a seguir com maior atenção. Criolo – nome artístico de Kleber Cavalcante Gomes, natural de São Paulo – sobe esta sexta-feira ao palco do Armazém F para mais um momento de partilha e, desta vez, o objecto é o seu recém lançado álbum Convoque Seu Buda.

Convoque Seu Buda é o segundo álbum de originais de um rapper que desde os 11 escreve e desde os 13 actua e foi perdendo o Doido no caminho. Sucede a Nó Na Orelha, editado em 2011. O novo álbum tem produção musical de Daniel Ganjaman e Marcelo Cabral e participações, entre outros, de nomes como Money Mark dos Beastie Boys. Mais uma vez, a música de Criolo é guiada pelo trabalho colectivo, dando continuidade a um projecto feito por muitas mãos e cabeças. Reflexo deste processo, oito das dez faixas são co-autorias.

Em Convoque seu Buda, Criolo e os produtores voltam a apresentar novas possibilidades ao caminho trilhado pelo rap nascido em São Paulo mas que mantém a sua raiz na periferia, afirmada na intensidade das batidas, nos versos corpulentos e nas críticas sociais contundentes.

Tal como em Nó Na Orelha, o Brasil urbano é narrado por um letrista com olhar focado nos que não têm privilégios – do funcionário que serve festas de luxo em “Cartão de Visita”, aos meninos que seguram armas na densa “Plano de Vôo”, passando por um padeiro que não chegou ao trabalho devido às greves no samba em “Fermento Pra Massa”, a um morador de rua, viciado em crack, na profética “Casa de Papelão”.

Com mais de 25 anos de carreira, Criolo é uma das principais figuras do panorama actual do hip-hop brasileiro. O concerto desta sexta-feira, no Armazém F, em Lisboa, tem presença tão obrigatória que os bilhetes estão esgotados.

Milhares de pessoas seguem o Shifter diariamente, apenas 50 apoiam o projecto directamente. Ajuda-nos a mudar esta estatística.