‘Ida’: a fé e as formas que a transmitem na aclamada obra polaca


O filme Ida não deixa ninguém indiferente. Visualmente atractiva, esta produção europeia opta quase sempre pelo caminho mais difícil. O realizador polaco Pawel Pawlikowski, com a ajuda de Ryszard Lenczewski e Lukasz Zal na cinematografia, apostou seriamente numa solução artística para transmitir tudo o que o tema do filme lhe exigia.

E foi precisamente na cinematografia que o cineasta e a sua equipa encontraram a melhor forma de transmitir o vislumbre de paz para uma vida abreviada pelo holocausto. Quase como a última prova do sucesso das opções tomadas, no passado domingo, a Polónia levou para casa a estatueta dourada de Melhor Filme Estrangeiro. Tendo estado também nomeado na categoria de Melhor Cinematografia, esta foi a primeira vitória naquela que foi a décima nomeação da Polónia para o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro.

O ENSAIO PODE CONTER SPOILERS 

Neste ensaio em vídeo intitulado Framing the Faith of Ida, é possível comprovar que o que mais se destaca neste filme é precisamente a sua estrutura visual. Steven Vredenburgh, o autor, realça o tema principal, a Fé, e mostra como esta se integra na realidade de todo o filme. As paredes, os telhados, as praças, as diagonais, os triângulos e os rectângulos fundem-se e intensificam o drama em torno da personagem principal. Anna tenta libertar-se momentaneamente dos constrangimentos da fé, ou pelo menos descobrir como é a vida para além da crença.

O preto e branco e o formato 4:3 dão destaque à rigidez emocional de Anna, assim como à atmosfera polaca, típica de um país com dificuldades extremas para voltar a erguer-se na penumbra da Segunda Guerra Mundial. Pawell arrisca com o (quase) sufocante formato 4:3 e arrisca bem. Enquadra o filme na época com o recurso ao formato clássico e faz uso da forma e dos enquadramentos ora para surpreender ora para incomodar. Steven Vredenburgh, demonstra ainda como Pawel Pawlikowski faz justiça à construção visual de Ida, explorando a carga estranha e dramática com que as personagens exploram e suportam os riscos e benéficos da Fé.

Ida, obra de Pawel Pawlikowski, foi também distinguida pelo Parlamento Europeu com o Prémio LUX 2014. Em Dezembro, na cerimónia da Academia Europeia de Cinema, venceu ainda os prémios de Filme Europeu do Ano e Escolha do Público, enquanto Pawel levou para casa o galardão de Melhor Realizador e Melhor Argumentista, juntamente com Rebecca Lenkiewicz.