Jonathan Richman, casas de campo e rock alternativo: o mundo lo-fi dos Cave Story


 

O lo-fi das Caldas da Rainhas nunca soou tão apetecível. Spider Tracks EP, o primeiro lançamento sério dos Cave Story, trio composto por Gonçalo Formiga, Pedro Zina e Ricardo Mendes, traz-nos seis canções de rock alternativo descomplicado, despretensioso e saudavelmente straightforward.

Gravado pelos próprios numa “pequena casa de campo” algures nos arredores das Caldas, Spider Tracks EP soa a um grupo de amigos que faz melodias por pura diversão, e que as regista com uma abordagem do it yourself que nos permite ter uma representação o mais fiel e sincera possível da banda e da sua música. A sonoridade e o próprio imaginário das canções fazem lembrar os grupos indie dos anos 90 – Pavement é o primeiro nome a vir à cabeça – nunca perdendo o carácter próprio da banda.

O Shifter teve a oportunidade de se sentar à conversa com a banda. Tentou descobrir mais sobre os Cave Story, qual o seu fascínio por Jonathan Richman, o cantor norte-americano que deu nome ao seu primeiro single, que antecede o EP de 2014, e se as aulas de natação em que os três músicos se conheceram, em criança, ainda são uma constante no presente.

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.