‘Love and Mercy‘: a biopic que Brian Wilson sempre mereceu


Brian Wilson é uma das personagens mais interessantes da cultura pop pós-Segunda Guerra Mundial, e em Junho vai chegar às salas de cinema a biografia que Wilson sempre mereceu. Love and Mercy está dividido em duas partes que correspondem a duas alturas cruciais da vida do líder dos The Beach Boys: os anos 60 e concepção de Pet Sounds, um dos álbuns mais inovadores e aclamados da história da música popular, e os anos 80, altura em que Brian Wilson teve um desgaste psicológico e esteve sob a influência de Eugene Landy, um psicólogo manipulador que mais tarde se transformou no seu manager e no seu parceiro de negócios.

O guião do filme foi elaborado por Oren Moverman, autor do guião da biografia de Bob Dylan, I’m Not There. Love and Mercy, que retira o seu nome de uma música do primeiro álbum a solo de Wilson, não vai seguir o modelo convencional da biografia, concentrando-se em vez disso em elementos específicos da vida do compositor.

Wilson vai ser representado por dois actores diferentes nos dois períodos da sua vida abordados no filme; Paul Dano será um jovem Brian Wilson no pico da sua criatividade artística durante as gravações de Pet Sounds, e John Cusack incarnará um Brian Wilson confuso, mentalmente desgastado e sob um apertado controlo por parte de Eugene Landy.

O filme só sairá nos cinemas a 5 de Junho, mas Love and Mercy já está a ganhar atenção e reconhecimento por parte da crítica, que teve a oportunidade de assistir a sessões nos festivais de cinema de Toronto e Cannes. Brian Wilson elogiou igualmente a biografia, comentando que os actores que o representaram fizeram um grande trabalho.

E para quem desconhece o legado de Brian Wilson, fica aqui o pináculo da sua obra: