Óscares 2015: o voo do pássaro sobre o hotel, ao ritmo independente da bateria


A cerimónia desta madrugada começou bem cedo a assinalar com um visto vários pontos da lista de acontecimentos (demasiado) expectáveis por parte de quem esperava ansiosamente por ela. Piadas que afrontam directamente a Academia, referências ao uso das redes sociais entre a plateia, Neil Patrick Harris a cantar, intervenções de alguém do público ou referência às 50 Sombras de Grey foram tudo coisas que a primeira meia hora de cerimónia nos ofereceu de borla. Estava lançada uma noite que, apesar de não ter sido legendary, terá que ter parte do seu sucesso ligada à grande prestação de Neil Patrick Harris na condução de tão grande navio de egos e vaidades.

oscares15_02

Antes ainda de escolher um vencedor da noite, há uma vitória simbólica que terá que ser atribuída. A gala do The Dolby Theatre, talvez até sem saber que o fez, mostrou ao mundo o talento e a qualidade presentes no cinema independente. Numa cerimónia que representa o expoente máximo de uma indústria tantas vezes movida por um combustível demasiado esverdeado, é bom ver os louros entregues a filmes que fogem ao que se faz apenas por força dos milhões e milhões de dólares, euros e outros enteados monetários. Boyhood até ficou mal na fotografia e as vitórias de Whiplash poderão nem ser assim tão significativas, mas de alguma forma foram capazes de mostrar que uma ideia não precisa de ser pensada única e exclusivamente para gerar lucro. É suposto que nos façam sentir coisas, mesmo que, assumindo o lado cru do que tentam representar fielmente, corram o risco de serem incompreendidos por muitos.

A corrida começou com um cavalo bem na frente dos restantes. The Grand Budapest Hotel dominou quase todas as categorias de caracterização cénica e de personagens. Mais à frente haveria ainda de juntar o Óscar de Melhor Banda Sonora aos iniciais relativos à Melhor Direcção Artística, Guarda Roupa e Caracterização, perfazendo assim as 4 estatuetas que acumulou. Wes Anderson terá que estar orgulhoso do que conseguiu, ou não fossem estes os Óscares que melhor representam os universos tão próprios que o texano tão bem nos oferece.

oscares15_03
Eddie Redmayne como Melhor Actor Principal
oscares15_04
Julianne Moore como Melhor Actriz Principal

Depois de Gravity dominar a edição do ano passado no que diz respeito às categorias técnicas, a noite deste ano mostrou-nos escolhas bem mais repartidas. Whiplash acumulou os prémios de Melhor Montagem e Melhor Mistura de Som ao troféu de Melhor Actor Secundário, arrecadado por J.K Simmons logo a abrir. O americaníssimo American Sniper ficou-se pelo Óscar de Melhor Edição de Som e Interstellar contentou-se com o de Melhores Efeitos Visuais. Birdman aproveitava também a mestria de Emmanuel Lubeski para arrancar para as vitórias com o Óscar para Melhor Cinematografia.

Os galardões relativos às performances dos actores e actrizes terão sido os que menos surpresa ofereceram no momento de abrir os envelopes. J. K. Simmons (Whiplash) começou por abriu as hostes com o prémio de Melhor Actor Secundário, ainda numa fase embrionária da cerimónia. Mas quem esperava alguma reviravolta que contrariasse as previsões nesta área, acabou por desiludir-se. Patricia Arquette ofereceu o único Óscar conseguido por Boyhood como Melhor Actriz Secundária e Julianne Moore (Still Alice) confirmou o que se esperava na categoria de Melhor Actriz Principal. Apesar das vitórias de Birdman e da performance (literalmente) de uma vida de Michael Keaton, o prémio de Melhor Actor Principal foi para Eddie Redmayne em The Theory Of Everything. Uma recompensa esperada mas justa para o inglês de 33 anos que interpretou de forma brilhante o papel de Stephen Hawking, correspondendo à dificuldade acrescida que a esclerose lateral amiotrófica exigia a esta perfomance.

oscares15_05
The Imitation Game recebeu a estatueta de Melhor Argumento Adaptado

Para muitos, a supresa terá chegado nas categorias relacionadas com os argumentos. The Imitation Game era um nome tido em conta mas não um óbvio favorito na categoria de Melhor Argumento Adaptado. O que é certo é que o filme que conta a história do matemático e criptoanalista Alan Turing e da sua descoberta durante a 2ª Guerra Mundial, acabou mesmo por levar a estatueta para casa. O galardão para Melhor Argumento Original traria depois a confirmação de uma noite de sucessos para Birdman.

O trabalho do mexicano Alejandro González Iñarritu terá que ser encarado como o vencedor da noite. Apesar dos 4 Óscares de The Grand Budapest Hotel, a obra que também pode ser conhecida como “The Unexpected Virtue of Ignorance” venceria depois todas as categorias de maior importância, como Melhor Realizador, Melhor Argumento Original e Melhor Filme. A Academia premeia assim um filme baseado na crítica constante à própria indústria de Hollywood e a tudo o que esta envolve, desde os próprios actores, à crítica e à coexistência de tudo isto num ambiente quase sempre falseado e sustentado pelo sucesso fugaz.

O amado e odiado Boyhood será, por outro lado, o grande derrotado da noite. A obra de Richard Linklater – aclamada pela crítica e atacada por muitos dos que esperavam ver no filme uma ode às vidas recheadas de acção – viu-se associada apenas ao Óscar de Melhor Actriz Secundária, conseguido por Patricia Arquette. Linklater vê assim escapar o reconhecimento da Academia à sua obra que, durante 12 anos, foi gravada e preparada, centrando-se na vida do pequeno Mason, interpretado por Ellar Coltrane. No Dolby Theatre, de nada valeram os prémios que arrecadou até lá, incluíndo o prémio de Melhor Filme nos BAFTA.

Quanto aos estrangeiros, Ida bateu Leviathan e leva para a Polónia a estatueta dourada. Selma conseguiu inscrever o seu nome na lista de vencedores com o prémio atribuído a “Glory” para Melhor Canção Original, interpretada por Common e John Legend. Citizenfour, o documentário sobre Edward Snowden, foi o eleito, claro está, como Melhor Documentário enquanto Big Hero 6 venceu na categoria de Melhor Filme de Animação

Uma última (e repetida) referência ao excelente trabalho de Neil Patrick Harris que, apesar de não ter deslumbrado, cumpriu todas as elevadas expectativas sobre si depositadas. Uma noite parca em surpresas, mas interessante q.b., que contou até com um Óscar feito de Lego, do qual já te tinhamos falado por aqui.

Os resultados estão conhecidos e se por acaso também fizeste a tua lista de apostas e preferidos, podes agora cruzá-la com a lista de vencedores que te apresentamos ou com as opiniões e apostas do Shifter, que andaram quase sempre muito próximas do que aconteceu ontem em mais uma noite no Hollywood Boulevard.

 

Filme

  • American Sniper
  • Birdman
  • Boyhood
  • The Grand Budapest Hotel
  • The Imitation Game
  • Selma
  • The Theory Of Everything
  • Whiplash

Realizador

  • Alejandro González Iñárritu, Birdman
  • Richard Linklater, Boyhood
  • Bennett Miller, Foxcatcher
  • Wes Anderson, The Grand Budapest Hotel
  • Morten Tyldum, The Imitation Game

Actor Principal

  • Steve Carell (Foxcatcher)
  • Bradley Cooper (American Sniper)
  • Benedict Cumberbatch (The Imitation Game)
  • Michael Keaton (Birdman)
  • Eddie Redmayne (The Theory Of Everything)

Actriz Principal

  • Marion Cotillard (Two Days, One Night)
  • Felicity Jones (The Theory Of Everything)
  • Julianne Moore (Still Alice)
  • Rosamund Pike (Gone Girl)
  • Reese Witherspoon (Wild)

Actor Secundário

  • Robert Duvall (The Judge)
  • Ethan Hawke (Boyhood)
  • Edward Norton (Birdman)
  • Mark Ruffalo (Foxcatcher)
  • J.K. Simmons (Whiplash)

Actriz Secundária

  • Patricia Arquette (Boyhood)
  • Laura Dern (Wild)
  • Keira Knightly (The Imitation Game)
  • Emma Stone (Birdman)
  • Meryl Streep (Into the Woods)

Argumento Original

  • Birdman
  • Boyhood
  • Foxcatcher
  • The Grand Budapest Hotel
  • Nightcrawler

Argumento Adaptado

  • American Sniper
  • The Imitation Game
  • Inherent Vice
  • The Theory Of Everything
  • Whiplash

Filme em Língua Estrangeira

  • Ida (Polónia)
  • Leviathan (Rússia)
  • Tangerines (Estónia)
  • Timbuktu (Mauritânia)
  • Wild Tales (Argentina)

Filme de Animação

  • Big Hero 6
  • The Boxtrolls
  • How To Train Your Dragon 2
  • Song Of The Sea
  • The Tale Of The Princess Kaguya

Curta Metragem de Animação

  • The Bigger Picture
  • The Dam Keeper
  • Feast
  • Me And My Moulton
  • A Single Life

Curta Metragem em Live Action

  • Aya
  • Boogaloo And Graham
  • Butter Lamp (La Lampe Au Beurre De Yak)
  • Parvaneh
  • The Phone Call

Documentário

  • Citizenfour
  • Finding Vivian Maier
  • Last Days In Vietman
  • The Salt Of The Earth
  • Virunga

Documentário em Curta Metragem

  • Crisis Hotline: Veterans Press 1
  • Joanna
  • Our Curse
  • The Reaper (La Parka)
  • White Earth

Cinematografia (ou Fotografia)

  • Birdman (Emmanuel Lubezki)
  • The Grand Budapest Hotel
  • Ida
  • Mr. Turner
  • Unbroken

Guarda-Roupa

  • The Grand Budapest Hotel
  • Inherent Vice
  • Into The Woods
  • Maleficent
  • Mr. Turner

Caracterização

  • Foxcatcher
  • The Grand Budapest Hotel
  • Guardians Of The Galaxy

Montagem

  • American Sniper
  • Boyhood
  • The Grand Budapest Hotel
  • The Imitation Game
  • Whiplash (Tom Cross)

Efeitos Visuais

  • Captain America: The Winter Soldier
  • Dawn Of The Planet Of The Apes
  • Guardians Of The Galaxy
  • Interstellar
  • X-Men: Days Of The Future Past

Mistura de Som

  • American Sniper
  • Birdman
  • Interstellar
  • Unbroken
  • Whiplash

Edição de Som

  • American Sniper
  • Birdman
  • The Hobbit: The Battle Of The Five Armies
  • Interstellar
  • Unbroken

Banda Sonora Original

  • The Grand Budapest Hotel
  • The Imitation Game
  • Interstellar
  • Mr. Turner
  • The Theory Of Everything

Canção Original

  • “Everything is Awesome”, The Lego Movie
  • “Glory”, Selma
  • “Grateful”, Beyond The Lights
  • “I’m Not Gonna Miss You”, Glen Campbell… I’ll Be Me
  • “Lost Stars”, Begin Again

Direcção Artística

  • The Grand Budapest Hotel
  • The Imitation Game
  • Interstellar
  • Into The Woods
  • Mr. Turner