Sexta-feira vai ser o dia universal para o lançamento de novos álbuns


Segundo as convenções actuais da indústria musical, os dias definidos para lançar álbuns nos Estados Unidos e no Reino Unido são, respectivamente, terça-feira e segunda-feira. Algo que, considerando o panorama actual, não faz qualquer sentido: as pessoas querem ter acesso ao conteúdo assim que ele fica disponível, e a Internet permite-lhes isso, sem dar importância a fronteiras entre países.

Frances Moore, director da IFPI, International Federation of the Phonographic Industry, diz que o estabelecimento de um dia comum a todos os países acabaria com a frustração de muitos fãs, ao não poderem ter acesso a uma música no seu país quando ela já foi lançada e já se encontra pública noutro. Para Moore, esta decisão poderá inclusive diminuir a pirataria.

Assim, a IFPI decidiu tornar sexta-feira a norma para lançamento de novos álbuns em todos os países. Decisão que, apesar de tudo, não foi bem aceite por todos. Ainda que ninguém na indústria se tenha oposto a um dia universal, as maiores críticas foram feitas em relação à escolha de sexta-feira. Segundo Rich Bengloff, director da American Association of Independent Music, há “vários obstáculos de negócio” que tornam a sexta-feira um dia pouco favorável para o mercado norte-americano e para as editoras independentes. O Department of Record Stores chegou mesmo a sugerir tornar o actual dia padrão norte-americano na norma universal, sendo que a mudança implicaria menos custos para as pequenas empresas da indústria.

No entanto, a decisão parece estar tomada e sexta-feira tornar-se-á mesmo, a partir do Verão, no dia universal para se lançarem novos discos.