Arte urbana portuguesa ganha mais espaço no Google Cultural Institute


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

A Google começou a catalogar a arte do mundo em 2011, com a introdução do seu célebre Art Project, uma iniciativa do Google Cultural Institute que começou por envolver 17 museus e que se estendeu a mais de 150 instituições em 2012. Em Junho do ano passado, o catálogo do Google Art Project passou a incluir arte urbana com a adição de 5 000 obras.

Hoje, o Google Art Project abriu as portas a mais 5 000 trabalhos de arte urbana, 192 dos quais são de artistas portugueses. “Estamos a trabalhar para preservar esta forma de arte e para a disponibilizar aos fãs em todo o mundo, em qualquer lugar e em qualquer altura”, refere a Google, em comunicado. “Hoje estamos a duplicar o número de street artworks disponíveis em alta resolução para 10 000, trabalhando em conjunto com 86 organizações de arte de 34 países.”

Duas dessas organizações são portuguesas: o WOOL, o festival de arte urbana da Covilhã, que viu 147 trabalhos seus (reunidos 8 colecções) a entrar para o catálogo do Google, e a Urban Creativity, que disponibilizou 45 trabalhos (2 colecções).

gculturalinstitute_wool

gculturalinstitute_urbancreativity

Desde Junho que a arte urbana portuguesa está representada no Google Cultural Institute, graças ao envolvimento da Galeria de Arte Urbana de Lisboa. O Art Project pode ser consultado no browser, mas também na TV através do Chromecast, no browser Chrome, no pulso via Android Wear ou nos telemóveis com estas apps.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!