Popular blogue de tecnologia Gigaom termina por falta de dinheiro


Ser-se media não é fácil. O Gigaom, um dos blogues de tecnologia mais influentes, fundado por Om Malik em 2006, colocou esta segunda-feira um ponto final na sua actividade. Não é só o site que fecha, é também a sua empresa, que ficou sem dinheiro.

“O Gigaom tornou-se incapaz de pagar aos seus credores em tempo útil”, lê-se numa nota da equipa de gestão do site, partilhada esta segunda-feira, depois de uma intensa cobertura da keynote da Apple. “Todas as operações cessaram”, continua o mesmo comunicado.

O Gigaom e a respectiva empresa estão agora nas mãos dos credores. “Não sabemos de momento o que é que os credores pretendem fazer com os activos ou se existirão iniciativas futuras que usem esses activos. A empresa não tenciona por agora abrir falência”, esclarece a mesma nota, que termina com um agradecimento a todos os leitores e a toda a comunidade que sempre apoiou o site. No seu blogue pessoal, Om Malik escreve que “ninguém gosta de ver uma empresa que fundou terminar desta forma” (podes ler o post de Malik no final deste artigo, na íntegra).

Há cerca de um ano, Om Malik tinha deixado de ter um papel tão presencial na Gigaom, ao tornar-se parceiro da empresa de capital de risco True Ventures. Na mesma altura, a Gigaom tinha recebido um investimento de 8 milhões de dólares da mesma True Ventures e também da Shea Ventures, da Alloy Ventures e da Reed Elsevier Ventures.

Alguns funcionários da Gigaom reagiram no Twitter à triste notícia:

O Gigaom oferecia notícias, análises e artigos de opinião sobre tecnologia, start-ups e novas ideias. Foi fundado em 2006 por Om Malik em São Francisco, na Califórnia. Desde aí, o Gigaom organizou eventos e conferências, fez aquisições de outras empresas e juntou uma audiência global de 5,5 milhões de pessoas (dado de 2012).

Fechamos o artigo partilhando o post que Malik fez no seu blogue:

Gigaom is winding down and its assets are now controlled by the company’s lenders. It is not how you want the story of a company you founded to end.

Every founder starts on a path — hopeful and optimistic, full of desire to build something that helps change the world for the better, reshape an industry and hopefully become independent, both metaphorically and financially. Business, much like life, is not a movie and not everyone gets to have a story book ending.

There will be time for postmortems, but not today. Today, I want to thank all the people who make (and have helped make) Gigaom. Their role in this journey was what really made it all worth it. They are great people and they will all do great work wherever they go. I want to thank our investors who believed in the business long before it became fashionable. And most importantly, I want to thank you dear readers for coming along on this trip of a lifetime.

I might have left Gigaom, the company, over a year ago, but Gigaom, the idea still lives in my heart.

Goodnight sweetheart, I still love you!