#ShifterMWC – parte 1


Regressámos a Barcelona para o Mobile World Congress. Eu e o Mário Rui André fizemos as malas e partimos no dia 28 rumo à Catalunha.

Sábado

Saímos de Lisboa à meia noite com destino ao Porto. Fomos de autocarro e demorámos 4 horas e 40 minutos.

As primeiras 3h já estão. Só faltam 5. @shifterpt rumo a Barcelona! #ShifterMWC

Uma foto publicada por João Miguel Dordio (@joaomdordio) a

Chegámos ao terminal de autocarros da Alexandre Herculano e ali ficámos à espera do Uber. “Isto hoje está uma selva, a polícia anda aí atrás dos bêbados que nem doidos”, foi o comentário do motorista. Ao que parece a noite do Porto está cada vez mais alcoolizada e ao volante, por isso a PSP tem apertado o cerco. Para nós, que vínhamos de Lisboa, ver a polícia a perseguir pessoas bêbadas até aos carros era novidade.

5h15 da manhã e estavámos no Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Dos aeroportos mais bonitos que eu já vi. Fizemos o check-in e a revista como se nada fosse. Tudo muito tranquilo e sem pressas. Mais uma vez uma novidade, pois sempre que andamos de avião há aquela pressão de conseguirmos ultrapassar as etapas todas sem fazer nada errado.

Ficámos no aeroporto até às 8h45, hora de partida do voo. Quando me apercebi que íamos voar num avião de brincar, fiquei preocupado. Entre saber que o lugar que tinha comprado não existia naquele avião e perceber que o tubo de metal era pouco mais largo que eu (1,85 de altura), já não havia volta a dar. O melhor era dormir e relaxar.

Aeroporto Francisco Sá Carneiro. #ShifterMWC Uma foto publicada por Mário Rui André (@mruiandre) a

Passadas quase 2 horas estávamos a mais de 1 030 km do Porto… e em terra firme, amén. O aeroporto de Barcelona é enorme e andámos bastante até à recolha das malas. Na zona de recolhas começámos a ver passar muitas cameras de televisão naqueles carrinhos difíceis de conduzir dos aeroportos. Era a equipa da SIC, da Exame Informática e da Samsung Portugal. Muito apressados, não houve tempo para mais do que um “olha, é o Lourenço Medeiros”.

Ainda no aeroporto, levantámos os badges para o MWC e recebemos uma mochila cheia de papel para reciclar, óbvio. Apanhámos o autocarro para a zona da conferência e de lá apanhámos o comboio, o metro… e o barco, o teleférico, o eléctrico, etc., até casa. Nunca tinha andado em tantos transportes (carro, autocarro, avião, comboio e metro) num só dia.

Eram 14 horas quando chegámos (finalmente) a casa do Dilmer, o nosso anfitrião. No dia seguinte, começavam os jogos a sério, com a conferência da Samsung ao final da tarde, por isso podíamos descansar.

Domingo

Dormir até ao meio dia para repor as baterias e almoçar com o resto dos companheiros de casa. Dois espanhóis, um hondurenho e uma finlandesa. Tudo gente muito simpática.

Ao final da tarde seguimos para a conferência da Samsung. Nós e metade de Barcelona, aquilo estava apinhado. Estava principalmente repleto de asiáticos, contra todas as expectativas. A Samsung apresentou as novidades como os Galaxys S6 e o Samsung Pay.

No final, na zona dos petiscos, conhecemos um dos product managers da Samsung Mobile por mero acaso. Desde um inquérito que me fizeram (relativo à conferência) a piadas sobre a Samsung e a Apple, ele acabou por sair da conferência connosco e por nos dar boleia até ao centro.

Trocámos contactos e cada um foi à sua vida.

Balanço do dia: estivemos em directo num evento internacional de apresentação de produtos, lado a lado com a imprensa internacional. Not so bad uh?

Segunda

A conferência começava oficialmente. Se acham a FIL grande, a Fira de Barcelona é 1,5 vezes maior. Se a Uber estivesse disponível em Barcelona apanhávamos um só para ir de uma ponta à outra!

Começámos o dia a rever os novos telemóveis da Samsung e vimos as novidades da HTC. Muitos pavilhões depois, montámos redacção na sala de imprensa e demos início aos trabalhos. Café, chá, águas com gás e cookies o dia todo e para todos os membros da imprensa. Disto não há no CES!

Fomos assistir à palestra do Sundar Pichai, uma das pessoas mais importantes da Google.

Na fila para entrar tínhamos à nossa frente o Dan Seifert, que é senior editor no The Verge e que estava a falar com uma das pessoas encarregues da Google Ventures. Infelizmente a conversa não era propícia para nós nos metermos e seria um hostile takeover, portanto ficámos a ver. Quando nos sentámos reparei que a pessoa ao meu lado tinha Engadget escrito no badge. Discretamente vi o nome dele no ecrã do seu Mac e percebi que era o Chris Velazco, senior editor do Engadget e que anteriormente esteve no TechCrunch. Meti conversa, trocámos e-mails, amigos 4ever.

Fomos almoçar e fomos também assaltados. 15€ por um copo de frutas, uma sandes de presunto e um Iced Tea, e 10€ por um bocado de relva prensada com adubo. A comida dentro da feira é mais do que cara.

De volta à redação, mais trabalho, mais café e mais cansados. Voltámos ao auditório para ouvir Mark Zuckerberg e quase adormecemos. O fundador do Facebook limitou-se a dar repostas em tons de cinzento sem fazer efectivamente grandes revelações sobre o Internet.org.

 

No final ficámos à espera para a selfie da praxe (não valia a pena fazer perguntas porque ele é pior que um atendedor de chamadas). Ao sair do auditório o Mark fugiu e nunca mais ninguém o viu.

De volta à redação reencontrámos o Chris Velazco e ficámos a trabalhar ao lado dele. O Shifter e o Engadget a trabalharem na mesma mesa. Foi bom. Ele acabou por ficar a conhecer melhor o que é o Shifter e mostrou-se disponível para nos ajudar no que pudesse. Isto não acontece todos os dias! Today was a good day! No regresso a casa usámos o serviço UberEats e podemos garantir que estamos viciados. Aproveito para esclarecer que a Uber não nos paga para dizermos isto, os serviços merecem apenas o nosso reconhecimento.

Terça

Despertador, banho, pequeno-almoço, chaves, mochila, metro, comboio e MWC. Tudo mecanizado e automatizado. Já memorizámos as linhas de metro e a rotina não podia ser outra. Sem palestras para assistir tivemos mais tempo para produzir conteúdo original.

À chegada fomos directamente ao stand da San Disk tentar ver o cartão microSD com 200 GB de espaço. Aquilo é incrivelmente pequeno e consegue guardar 20h de vídeo  full HD. Tivemos de esperar porque o correspondente da Sky News estava a gravar a peça naquele momento. Um dia seremos nós a fazer esperar!

Pela primeira vez quisemos fazer uma peça sobre um artigo de tecnologia com vídeo. Estivemos no stand da HTC durante séculos a filmar e a gravar o novo HTC One M9. Subimos para as salas de imprensa e demos início aos trabalhos. Até às 21h foi sempre seguido, depois os seguranças expulsaram-nos das instalações.

Quando estávamos a chegar a casa, reparámos que a rua estava cortada e havia mais pessoas que o habitual. Havia então uma procissão de pessoas a cavalo e em carrinhas de caixa aberta a atirarem imensos rebuçados para as pessoas que estavam nos passeios. Mas quando digo imensos são mesmo imensos, ao ponto de os meus sapatos ficarem peganhentos!

 

Apesar de não termos conhecido nenhum tech rockstar, neste dia estreámos as reviews em vídeo directamente do MWC. So far so good.