Twitch roubou o livestreaming do Ultra Music Festival ao gigantesco YouTube


Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

O Twitch reforçou a sua aposta na música com a transmissão em directo de um dos maiores e mais consagrados festivais de música electrónica, o Ultra Music Festival, cuja edição de 2015 aconteceu este fim-de-semana em Miami.

O Twitch – que foi recentemente adquirido pela Amazon por mil milhões de dólares – ganhou nome com o livestreaming de jogos, mas é na música que procura novas oportunidades para crescer e diversificar-se. Uma estratégia que não é de todo estranha, uma vez que o gaming e a música são as duas áreas mais populares do gigante do vídeo online YouTube.

O mais recente passo do Twitch para crescer na música foi transmitir o Ultra Music Festival, um evento que nos anos anteriores tinha presença garantida na plataforma da Google. Com o patrocínio da marca de refrigerantes 7Up, a Twitch assegurou o livestream das performances de alguns dos principais DJs do cartaz do evento, como Skrillex, Avicii, Steve Aoki, Hardwell, Alesso ou Armin Van Buuren.

twitchultramusicfestival_02

O canal do Ultra no Twitch tem hoje quase 100 mil subscritores, enquanto que no YouTube o festival conta com 800 mil subscritores. De notar que não é preciso seguir o canal para assistir às actuações no serviço da Amazon, sendo que no que toca a visualizações o festival contou com quase 10 milhões este ano.

“Não toleramos mediocridade e a nossa mudança para o Twitch é um passo nesse sentido”, referiu em comunicado Adam Russakoff, produtor executivo e director de negócios do Ultra Music Festival. Para Colin Carrier, CSO e director de música do Twitch, “poder alojar o Ultra Music Festival na nossa plataforma com o patrocínio de uma marca como a 7Up é a prova do poder do live social video”.

O Twitch entrou na música em 2014 com o livestream de um DJ set de Steve Aoki a partir de Ibiza. Em Janeiro deste ano, a empresa criou uma biblioteca de música licenciada para os utilizadores da plataforma usarem nos seus vídeos; essa biblioteca inclui faixas de editores independentes de dança, como a Spinnin’ Records, a Mad Decent ou a OWSLA. Os The Prodigy adicionaram uma das novas músicas à biblioteca, como parte de uma campanha promocional para o novo álbum, que incluiu o livestream de uma entrevista via Twitch.

Por seu lado, o YouTube tem trabalhado com alguns festivais de música, como o Coachella ou o Bonnaroo, para assegurar o livestream de concertos na sua plataforma. Durante anos e anos, o serviço da Google não teve propriamente um concorrente sério, mas está a ser cada vez mais ameaçado por diferentes players: live music com o Twitch; livestreaming com o Periscope e Meerkat; filmes e séries com o Vimeo, o Yahoo Screen e o Netflix; e vídeos casuais e conteúdo de marcas com o Facebook.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.