4:20 – de código secreto a símbolo universal


4:20

O dia 20 de Abril não tem nenhuma designação, nem nada que o torne especial aos olhos da sociedade, mas por mais estranho que pareça, desta vez alguns dos mais “distraídos” vão reparar. Isto porque 20 de Abril, na formulação americana 4/20, é o dia (por enquanto) não-oficial da erva.

E embora em Portugal as celebrações não devam ir muito para além da casa de cada consumidor e de algumas manifestações nas redes sociais, lá fora o cenário é bem diferente, começando a ganhar contornos de tradição. O estado norte-americano do Colorado e o estado canadiano de Ottawa são os principais focos de comemoração e onde este ano se espera um nevoeiro mais denso. O primeiro foi o pioneiro em matéria de legalização do consumo e venda de marijuana. Palco da Cannabis Cup e do festival 420 Rally, a capital, Denver, é o epicentro das comemorações de uma tradição que nasceu na Califórnia.

A história faz lembrar a de um livro infantil (e para quem quiser uma explicação animada) mas parece real e conforme revela o The Huffington Post existem evidências físicas da sua veracidade. Tudo remonta a 1971 e ao estado californiano, onde um grupo de alunos se encontrava religiosamente às 4:20 perto da estátua de Louis Pasteur, à porta da San Rafael High School. Os “Waldos” encontravam-se para fumar erva e ir em busca de um tesouro perdido, uma plantação de cannabis ao abandono. O tesouro nunca foi descoberto mas o combinado foi-se mantendo e o sinal tornou-se universal. De 4:20, a hora de acender e fumar o charro para 4/20, o dia da erva foi um pequeno passo.

Com o apoio da conceituada publicação pró-cannabis High Times, o 4/20 tornou-se num dos principais símbolos da comunidade de stoners.

E se em 1971 o código era um segredo dos jovens californianos, em 2015 é um motivo de exposição e uma celebração da aceitação da marijuana na sociedade contemporânea. Embora a erva continue a ser ilegal na maioria dos países, o número de consumidores continua a aumentar e o aparente sucesso da legalização noutros países aviva a discussão.