A Google virou operadora móvel


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Pagar por aquilo que usas: hoje em dia, este método de subscrição já não é propriamente muito comum. A grande maioria das pessoas tem já uma tarifário ilimitado ou um pacote de internet juntamente com canais por cabo para navegar sem problemas. Mas há quem não tenha a necessidade de tantos megabytes de dados assim. Para essas pessoas, a solução pode estar mesmo ao virar da esquina. E vinda da Google, pois claro.

O Project Fi chegou esta semana para confirmar a entrada da gigante Google no mundo das redes móveis. Este serviço, actualmente disponível apenas para os Nexus 6 e com a necessidade de um cartão SIM especial, permite ao utilizador aceder à internet em qualquer lado e com recurso a uma ligação Wi-Fi ou LTE, dependendo da força dos sinais, com ajuda dos serviços da T-Mobile e da Sprint.

Para aderir, a Google cobra um custo de 20 dólares, mas o principal diferencial está precisamente no preço: por cada gigabyte de dados que utilizares, a Google vai cobrar-te somente dez dólares, sem qualquer tipo de obrigação ou pagamento mínimo.

Ou seja, se num mês requisitares quatro gigabytes de internet, vais pagar 60 dólares (20 de subscrição + 40 pelos 4 GB), mas se eventualmente não utilizares 2 GB do plano, a Google vai devolver-te o dinheiro.

Por outro lado, é-te pedido mais dinheiro caso excedas aquilo que pediste inicialmente. Isto acaba por ser bastante mais barato ao final de um ano em comparação com aqueles serviços que pedem 50 dólares todos os meses, independentemente do consumo.

Para além disso, todos os números de telefone do Project Fi “vivem na nuvem”, o que te dá a possibilidade de enviar mensagens e de fazer chamadas com recurso ao laptop, ou tablet, e à ligação Wi-Fi.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!