A qualidade de vida e a sustentabilidade do planeta podem voar de mãos dadas


Fernão de Magalhães foi o português, do norte de Portugal, que entre 1519 e 1522 organizou e realizou a primeira circum-navegação ao Planeta Terra. Na altura foram as águas agitadas do alto mar que possibilitaram ao navegador concretizar o sonho da humanidade. Agora, o projecto Solar Impulse quer fazer a volta ao mundo com um avião que se alimenta… do Sol.

Apenas alimentando-se de energia da luz solar, o Solar Impulse não precisa de uma gota de combustível podendo viajar de dia ou até de noite, uma vez que a energia é armazenada. O objectivo final é claro: fazer a First Round-The-World Solar Flight, um projecto alimentado por Bertrand Piccard, André Borschberg e a equipa que os acompanha. Todos pretendem chamar atenção para as tecnologias limpas, amigas do ambiente.

Onde está o Solar Impulse 2 e para onde vai?

O avião solar esteve pousado em Chongqing, na China, desde o dia 30 de Março. Mas ontem, dia 16 de Abril, o Solar Impulse 2 iniciou uma nova jornada pelo mundo fora, estando planeado uma visita a Phoenix, no estado do Arizona, nos EUA, e também a Nova-Iorque. O avião partiu do Hawai e está agora a caminho de Phoenix, uma das 12 paragens desta viagem à volta do mundo. O plano da viagem tem sido limitado pelas condições atmosféricas de cada lugar onde param. Por exemplo, actualmente a equipa do Solar Impulse está a aguardar que o tempo fique melhor, aka que as nuvens de alta altitude desapareçam, para que possam prosseguir viagem.

Solar Impulse takes-off from Ahmedabad to Varanasi

De acordo com o plano inicial, o Solar Impulse 2 deve aterrar em Phoenix em Maio e por lá ficará durante três dias para aproveitar os ares solarengos, espera-se, do Arizona. No entanto, o objectivo fundamental é que os co-fundadores do projecto possam apregoar a sua palavra. Um professor da Arizona State University referiu, ao AZCentral, que os pilotos vão falar à comunidade estudantil. O protótipo Solar Impulse 1 já tinha pousado em Phoenix há dois anos, num avião que na altura só conseguia voar 24 horas seguidas.

O Sol é combustível do sonho

A partida para esta grande viagem do Solar Impulse 2 deu-se a 9 de Março em Abu Dhabi, a capital dos Emirados Árabes Unidos, aonde regressará no Verão. Já passou por Muscat, em Omã, Ahmedabad e Varanasi, na Índia, e Mandalay, Myanmar e Chongqing na China. Ao todo o avião vai percorrer 35 mil quilómetros. Vê aqui o vídeo que te explica o que é o projecto:

O Solar Impulse 2 tem as mesmas dimensões que um carro de tamanho médio e consegue voar 22 mil milhas sem combustível. A ideia é que este caso – um caso extremo – possa ser aplicado a máquinas mais simples do nosso dia-a-dia em que a energia da luz solar possa substituir a electricidade de origem não-renovável. “Nós acreditamos que as energias renováveis são uma forma de promover a coesão social, a prosperidade e a paz”, referiram os co-fundadores Bertrand Piccard e Andre Borschberg num comunicado divulgado na altura em que o projecto foi promovido. O movimento por trás desta iniciativa chama-se #FutureIsClean.

O projecto já começou há 12 anos, tem 50 engenheiros e técnicos a trabalhar e 80 parceiros de tecnologia que ajudam o Solar Impulse a tornar-se realidade a cada dia. O Solar Impulse 1 foi um protótipo construído pela equipa de Bertrand Piccard e André Borschberg, sendo que o upgrade – o Solar Impulse 2 – é o avião final que resultou de todo o estudo de conceito e design de construção, de acordo com o site oficial do projecto. Este avião revolucionário foi o primeiro a voar cinco dias e noites consecutivas sem uma gota de combustível, percorrendo no ar continentes e oceanos inteiros sem poluir o Planeta Terra. Para isso, o Solar Impulse 2 tem mais de 17 mil células recarregáveis com baterias avançadas de lítio. Estas baterias são responsáveis por colocarem os quatro motores eléctricos do avião a funcionar.

Os co-autores do avião Piccard e Borschberg têm feito turnos para o guiar pelas nuvens, num cockpit com temperaturas aceitáveis, com uma temperatura externa de 40 a 104 graus. As viagens têm sido longas, principalmente as que ultrapassam oceanos como o Pacífico e o Atlântico que podem demorar cinco dias e noites. Tudo para provar que o aumento da qualidade de vida e a sustentabilidade do planeta podem voar de mãos dadas. A dupla quer ficar na história da aviação. Querem, segundo o site do projecto, colocar as emoções e os sonhos de novo no coração dos cientistas. Este projecto é “algo que nos força a deixar a carapaça protectiva que as nossas certezas nos dão, as quais nos fazem agir e reagir automaticamente”, afirma Bertrand Piccard. “A aventura é um estado de alma na face do desconhecido”, metaforiza uma das mentes do projecto.

Solar Impulse takes-off from Varanasi to Mandalay

Solar Impulse 1

O protótipo HB-SIA, de acordo com o site do projecto, já anunciava “funcionalidades nunca antes vistas”. Na altura, o Solar Impulse tinha o peso de um carro, asas iguais ao Airbus A340 e apresentava propriedades físicas e aerodinâmicas inovadoras. Feito de fibra de carbono, este Solar Impulse 1 foi construído para economizar a energia ao máximo e para resistir a condições difíceis para a navegação em altitudes superiores.

Os criadores contam que este protótipo não foi feito para voar à volta do Mundo, ao contrário do Solar Impulse 2. O 1 tinha como objectivo demonstrar a viabilidade de um projecto que pretendia fazer o primeiro avião que consiga voar dia e noite sem um pingo de combustível, uma meta que foi alcançada em Julho de 2010, há cinco anos. Tudo graças à tecnologia desenvolvida que permite receber do sol, ao meio-dia, cerca de 1000 watts em energia, com células foto voltaicas. O Solar Impulse 2 (HB-SIB) é o resultado de cinco anos de investigação que tornou agora possível construir um avião capaz de circundar a Terra apenas alimentado por energia solar.

solarimpulse1

O projecto em si começou na Suiça, um dos países na voga das tecnologias limpas. Os co-criadores são suíços e conseguiram que empresas do seu país financiassem o projecto, para além de terem conseguido ajuda de empresas que trabalham com tecnologia de ponta. O protótipo Solar Impulse 1 HB-SIA bateu oito recordes mundiais.

A cronologia da inovação

Em 1999, Bertrand Piccard continuava a tradição familiar na aventura pelo desconhecido. Foi neste ano que começou o desafio que deu vida ao Solar Impulse, logo depois de ter aterrado da sua primeira volta ao mundo em balão.

Em 2003, o criador do Solar Impulse apresentou o projecto a uma escola da Suiça, a Ecole Polytechnique de Lausanne, que começou por fazer um estudo de viabilidade do projecto. Foi neste passo que Bertrand conheceu André Borschberg, um engenheiro e piloto profissional, que liderou o estudo. Uma amizade e uma parceria de trabalho começavam a crescer. A 28 de Novembro o projecto foi lançado oficialmente com a CNN a mostrar imagens do protótipo quando ainda era um projecto digital no computador.

Entre 2004 e 2006, a dupla conseguiu reunir vários parceiros como a Semper, Altran, Solvay e começou a contratar engenheiros. Entre 2007 e 2009, a Omega e o Deutsche Bank juntam-se à festa como main sponsors e tornam possível a concretização real do Solar Impulse 1 HB-SIA. A 26 de Junho de 2009, 800 pessoas tiveram o privilégio de ver pela primeira vez o protótipo. Nesse mesmo ano foram feitos vários testes de aviação, principalmente noturna para testar a viabilidade.

Em 2010, o piloto profissional Markus Scherdel continuou os testes à ideia de Bertrand e à concretização de Borschberg. A primeira viagem de noite na história da aviação solar durou 26 horas, 10 minutos e 19 segundos. Os primeiros vôos tinham como destino Zurique e Génova em Setembro desse ano.

Em 2011, mais parceiros juntam-se ao projecto assim como entidades europeias. Começa a ser pensado o design do upgrade do Solar Impulse 1 HB-SIA: o Solar Impulse 2 HB-SIB.

Em 2012, o destino foi Marrocos. Esta viagem, a convite do Rei Mohammed VI, teve como objectivo promover a construção do maior painel termo-solar do mundo em Ouarzazate, uma cidade a sul de Marrocos. Na Suiça, uma das maiores companhias de seguros do mundo, a SwissRe, junta-se ao projecto.

Em 2013, o destino foram os EUA. Uma viagem que cobriu alguns dos 50 Estados: San Francisco-Phoenix-Dallas-St. Louis-Washington D.C.- New York City – foi esta a rota. Este foi também o ano de construção do Solar Impulse 2 HB-SIB.

Em 2014, Bertrand Piccard apresenta o Solar Impulse 2 ao público e começam os testes e treinos de aviação a bordo do novo avião solar, no Verão.