‘As 1001 Noites’, de Miguel Gomes, vai mesmo estrear em Cannes


As 1001 Noites, o novo filme do realizador português Miguel Gomes, vai estrear em Cannes em Maio – mas não no Festival de Cinema. A sua estreia mundial acontecerá na Quinzena dos Realizadores, um anexo ao festival francês, que decorrerá de 14 a 24 de Maio.

O trabalho de Miguel Gomes foi uma das faltas mais sentidas na Selecção Oficial da edição do festival francês. No entanto, segundo a Variety, o filme esteve em cima da mesa para fazer parte da competição. O próprio comité de selecção do festival ponderou seriamente, mas a duração da obra, cerca de 6 horas, levou a um recuo. A inclusão de As 1001 Noites obrigaria a organização a excluir, pelo menos, outros dois filmes.

A Variety refere ainda que o Festival de Cinema de Cannes ofereceu a Miguel Gomes um lugar na secção Un Certain Regard, mas o realizador e a sua produtora optaram por aceitar o convite do programa paralelo Quinzena dos Realizadores.

as1001noitescannes_02

Em declarações ao jornal Público, Luís Urbano, o responsável pela produtora O Som e a Fúria, confirmou a notícia da Variety: “Tínhamos um convite para a Un Certain Regard, mas escolhemos a Quinzena dos Realizadores, pois mostrará melhores filmes, e onde As Mil e Uma Noites terá mais exposição e mais visionamentos.”

A obra é composta por três filmes: O Inquieto, O Desolado e O Encantado. Estes três volumes têm uma particularidade: a sua duração total é aproximadamente a de uma noite (6 horas). Segundo Luís Urbano, ao Público, “quem quiser ver o filme todo terá de ver os três volumes, mas cada um deles tem uma personalidade autónoma”. A distribuição comercial do filme vai ter a mesma lógica. “Os três volumes vão sair com um intervalo de tempo entre cada estreia”, explicou o produtor, que espera que As 1001 Noites chegue às salas na última quinzena de Setembro.

Por fim, é bom relembrar que foi na Quinzena dos Realizadores, em 2008, que Miguel Gomes viu pela primeira vez o seu talento reconhecido por estas paragens, com a segunda longa-metragem Aquele Querido Mês de Agosto. Depois desse reconhecimento, o realizador português alcançou a efectiva projecção internacional, em 2012, com o tão aclamado filme Tabu.