Dia 10 de Julho, o clubbing do NOS Alive vai ter…


 

O Palco NOS Clubbing recebe dia 10 de Julho uma programação especial que irá reunir algumas das mais proeminentes sonoridades nacionais e luso descendentes. Batida, Capicua, Magazino, Moullinex e Skip&Die são os primeiros nomes confirmados.

Batida dispensa apresentações e a lista de prémios e elogios junto da crítica é já longa. Resumindo em poucas palavras, Batida é o nome com que Pedro Coquenão assina o que faz. Nascido no Huambo, em Angola, cresceu nos subúrbios de Lisboa e tem dividido a sua vida entre a produção musical, a rádio e o vídeo. O artista que nos últimos anos viu o seu trabalho ser reconhecido com fortes elogios da crítica e do público, tendo trabalhado com nomes como Damon Albarn ou Stromae, irá levar até ao Passeio Marítimo de Algés um espetáculo que mistura a electrónica com elementos da época dourada da música angolana.

Neste mesmo dia, o Palco NOS Clubbing recebe Capicua. Ana Matos Fernandes. Nascida no Porto, cresce a gostar de rimas e de palavras ditas ao contrário. Esta artista conhecida de todos traz ao NOS Alive 2015 Medusa – Algumas Remisturas E Uma Ou Outra Coisa Nova, um disco verdadeiramente surpreendente, onde marcam presença alguns dos mais estimulantes projetos de hip-hop e da actual música urbana de raiz electrónica. Aos companheiros de sempre, D-One e M7, juntam-se Virtus nas teclas, mpc e programações e Vítor Ferreira nas ilustrações, que passam agora a ser trabalhadas a partir do palco.

Uma das maiores referências da electrónica portuguesa, Magazino, é outro dos nomes que se junta ao alinhamento deste dia. Luís Costa, que já conta com cerca de 20 anos de carreira, há muito que mobiliza público atrás de si. É daqueles que pode dizer que está presente desde o big bang da música electrónica de dança nos ditos anos 90.

Moullinex, o alter-ego do viseense Luís Clara Gomes é também uma das presenças confirmadas para dia 10 de julho. Não é música de dança. É apenas música. Apesar da intensa atividade nesse mundo, Moullinex quer ser, e é, muito mais do que uma mera máquina de fazer dançar. Também conhecido por ser um dos fundadores da essencial Discotexas, o músico vai levar até ao NOS Alive a sua mais recente aventura, Elsewhere, sucessor de Flora (o disco de estreia, editado em 2012).

Com influências sul-africanas, mas fortes raízes portuguesas, os Skip&Die vão trazer até ao NOS Alive várias sonoridades do mundo. Apesar de não terem nascido em solo nacional, as suas ligações com Portugal são fortes. A vocalista Catarina Aimée Dahms aka Cata.Pirata, viveu um bom período de tempo nos Açores e o produtor e teclista Jori Collignon vive atualmente em Lisboa, em união de facto com uma portuguesa de quem tem uma filha. Não é só por estas razões que o mais recente álbum de estúdio foi gravado em vários países, incluíndo Portugal. Com sonoridades que assimilam estilos como dub, rock psicadélico, rasteirinha brasileira, mayola, electro chaabi, entre outros, os Skip&Die apresentam dia 10 de julho um espetáculo que promete ser no mínimo explosivo.

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.