Eduardo Galeano morreu, mas continua a inspirar-nos


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Morreu o escritor uruguaio Eduardo Galeano. Internado desde sexta-feira passada devido a um cancro no pulmão, acabou por falecer no dia de ontem, em Montevideo. Tinha 74 anos.

Nasceu a 3 de Setembro de 1940. Queria ser futebolista, mas a vida trocou-lhe os planos, passou por ilustrador e empregado bancário até atingir a fama como escritor. Começou como jornalista na década de 60, onde se cruzou com Mario Vargas Llosa no semanário Marcha.

Esteve preso aquando do golpe militar de 1973 no Uruguai e foi no exílio na Argentina que fundou a revista “Crisis”. Durou até à ditadura de Jorge Videla nesse país. A sua trilogia “Memória do Fogo” foi escrita em Espanha, onde relembrou os tempos dos resistentes procurados pelos esquadrões da morte. Regressou ao seu país em 1980, quando a ditadura caiu.

Pronta para sair estava uma colectânea de contos chamada século XXI e que será publicada em Espanha já na próxima quinta feira. Foi a sua obra escrita que o tornou um símbolo da literatura no seu continente, sendo que o livro “As veias da América Latina” (1971), descrevia a história tortuosa da América do Sul e foi proibido nas ditaduras do Chile, Argentina e Uruguai.

Esta obra traduzida em mais de 20 idiomas foi oferecida por Hugo Chavez a Barack Obama na Cimeira das Américas em 2009, saltando do lugar 60 mil para o top dez da Amazon.

A sua vida, difícil e inspiradora, continua a ser um exemplo para personalidades de diferentes classes, culturas e credos, um símbolo vivo do que é viver sem medo. É por isso mesmo que partilhamos este vídeo com todos, para que a lição e a vida de Eduardo Galeano continue a inspirar-nos.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!