Vai a Apple entrar no mercado automóvel?


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Bem, o executivo Jeff Williams não deu uma resposta concreta a esta questão na conferência Code, mas deixou no ar a hipótese de a Apple entrar no mercado automóvel. “O carro é definitivamente um aparelho móvel”, disse Williams, vice-presidente sénior de operações, em resposta a uma pergunta sobre o que é que a empresa vai fazer com a quase incomensurável quantidade de dinheiro que tem.

“Estamos a explorar muitos mercados diferentes”, disse ainda. Jeff Williams explicou que o factor decisivo na escolha de novos negócios não é a oportunidade para aumentar as receitas, mas sim “quais são aqueles nos quais podemos fazer uma grande diferença”.

Para sermos justos, a Apple já está no mercado automóvel com o CarPlay, um sistema operativo para carros que as fabricantes podem adoptar nas suas unidades. A empresa tem já muitos parceiros nesse sentido, como a Audi, a BMW, a Fiat, a Nissan, a Renault, a Mercedes-Benz, a Jaguar ou a Porsche.

carplay

Mas, no início de Fevereiro, ficámos a saber que a Apple estaria a trabalhar num carro eléctrico para seu lançado no final da década (isto é, por 2020). No ar, fica a dúvida se Williams brincou apenas com esse rumor durante a conferência ou se o projecto de um “Apple Car” está mesmo em curso.

Numa conversa conduzida por Walt Mossberg, do Re/code, o executivo Jeff Williams falou ainda sobre o Apple Watch, apelidando a procura de “fantástica” e dizendo, sem avançar números, que foram vendidos muitas unidades. “Obviamente que não posso dar um número”, disse depois de seu pressionado por Mossberg para colocar alguns números nos adjectivos.“O único número que lhe posso dar é que a procura dividida pela oferta é maior que um”, brincou.

Para além de vice-presidente sénior de operações, Williams liderou o projecto do Apple Watch ao longo dos últimos anos. O executivo juntou-se à Apple em 1998 e é uma das figuras mais importantes da empresa.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!