Governo dinamarquês propõe acabar com o dinheiro físico


A medida passa, numa primeira fase, por permitir que postos de abastecimento, lojas e ainda restaurantes tenham a possibilidade de somente aceitar pagamentos quando feitos através de sistemas electrónicos e mobile. Surge com o intento de estimular a economia dinamarquesa e faz-se acompanhar de outras 49 propostas do actual ministro das finanças, Bjarne Corydon.

Os sociais democratas dizem que a medida irá ajudar a facilitar as transações internas no país, ao mesmo tempo que servirá de estimulante para a economia.

Actualmente as companhias e empresas do país são obrigadas a aceitar pagamentos com dinheiro real: “o que envolve um aumento considerável de encargos administrativos”, referiu o ministro.

A título de exemplo, e para que ilustrar a natureza prática da sua proposta, Corydon esclareceu que os comerciantes despendem demasiado dinheiro a contratar seguranças e sistemas de segurança. O ministro fez ainda menção aos trocos, que resultam da circulação física da coroa dinamarquesa, como sendo uma  fonte de ineficiência e perda  de tempo.

A ideia é que tanto os custos de transação como o crime associado desçam quando o dinheiro real for erradicado destes locais.

Se a alteração for implementada, já a partir de Janeiro de 2016, restaurantes, lojas e postos de abastecimento poderão recusar clientes que não tenham acesso a sistemas de pagamento electrónico.

De acordo com um estudo de McKinsey, os pagamentos processados electronicamente tornam os sistemas bancários mais produtivos e diminuem a influência da economia paralela, que “foge” a qualquer tipo de monitorização do governo.

Dados recentes mostram que na Dinamarca existe pelo menos um cartão de débito por cada adulto e que, desde 1990 até ao passado ano de 2014, os pagamentos em dinheiro e em cheques diminuíram em 80% no país.

dinamarcafimdinheiro_01

dinamarcafimdinheiro_02

O pagamento electrónico e mobile assumem-se cada vez mais como uma tendência em gradual crescimento. É nos países nórdicos, onde a Dinamarca se encontra,  que as taxas de pagamento mobile tem a percentagem mais elevada do mundo. O serviço Siru Mobile é já o segundo método de pagamento na Finlândia, Noruega e Suécia.