Jay Z ataca Spotify e YouTube num freestyle em defesa do TIDAL


Numa altura em que assistimos a uma migração cada vez maior da música offline para os serviços de streaming online, quem favorece mais os artistas? No último fim‑de‑semana, num concerto exclusivo para os utilizadores do TIDAL, Jay Z fez um freestyle altamente interventivo .

Depois do seu lançamento mediático no final de Março, o TIDAL tem recebido muitas críticas. Suficientes, para o rapper de Nova Iorque defender a sua recente compra no Twitter. As críticas centram-se especialmente no facto de ser um serviço para tornar os artistas mais ricos cada vez mais ricos.

Durante um concerto promovido pelo TIDAL na cidade que nunca dorme, Jay Z voltou a colocar os pontos todos nos i’s.

O rapper começa por criticar os artistas que corroboram com as editoras discográficas preocupadas apenas com os lucros e não tanto com a elevação criativa e musical:

I take what’s mine, you accept what they they give you, I get you

Rapidamente passa a criticar os outros players no mundo da distribuição de música:

“Jimmy Iovine offered a safety net
Google dangled around a crazy check
I feel like YouTube is the biggest culprit
Them niggas pay you a tenth of what you supposed to get”

Jimmy Iovine, co-fundador da Beats, tentou alegadamente dissuadir alguns artistas a se juntarem ao movimento do TIDAL. Jay Z confirmou estes rumores numa entrevista à Billboard, como reporta o Business Insider, afirmando que Iovine “estava a ser apenas um empresário competitivo”. Quanto à Google, dona do YouTube, ofereceu uma larga quantia em royalties (relativos aos seus videos na plataforma) para que o rapper permanecesse no site de partilha de vídeo.

Jay Z continua o seu freestyle, fazendo uma comparação entre a situação actual no mundo da música com o que se passou na Guerra Civil Americana, evidenciando o desequilíbrio em termos salariais e raciais:

You know niggas die for equal pay right?
You know when I work I ain’t your slave right?

A verdade é que o TIDAL pretende ser muito mais do que um serviço de streaming de musica de alta fidelidade. Toda a carreira de Jay Z se focou em defender causas nobres e incentivar a criatividade individual e colectiva. Esse é o mote do TIDAL: devolver o poder aos artistas e não às empresas. Na mesma entrevista à Billboard, Jay Z questionou: “será que os artistas vão ganhar mais dinheiro?”. E respondeu: “mesmo que isso represente menos lucro para nós [TIDAL], de certeza. Isso é fácil para nós. Podemos fazer isso. Menos lucro para nós, mais dinheiro para os artistas; fantástico. Vamos fazer isso hoje.