Oito anos depois, o Grooveshark deixou de dar música


Até há bem pouco tempo, o Grooveshark era uma plataforma onde podíamos ouvir música gratuitamente. Mas o serviço, propriedade da empresa Escape Media, foi desativado esta quinta-feira, 30 de Abril, no seguimento de um processo judicial movido pelas grandes editoras discográficas.

A Universal Music Group, a Sony Music e a Warner Music Group acusaram a Escape Media de violar os direitos de autor das músicas distribuídas no seu serviço, prejudicando a indústria.

Na verdade, o Grooveshark permitia que os utilizadores carregassem músicas para os seus servidores e as partilhassem com os outros utilizadores. Os próprios funcionários do Grooveshark fizeram o upload de milhares de músicas, mesmo sabendo que não tinham direitos legais para o fazer.

Num processo judicial conjunto, as editoras exigiam à Escape Media o pagamento de 657 milhões de euros, mas a empresa não vai ter de pagar nada.

Depois de uma batalha de 6 anos entre as editoras e a Escape Media, a justiça norte-americana colocou finalmente um ponto final no caso, ao conseguir um acordo entre as várias entidades envolvidas. O serviço, que alegadamente tinha cerca de 30 milhões de utilizadores mensais, foi encerrado pela Escape Media; todas as músicas foram removidas e o domínio da página na internet foi devolvido.

Caso a Escape Media não desactivasse o Grooveshark, teria de pagar 75 milhões de dólares às gigantes discográficas.

“Começámos há quase dez anos com o objetivo de ajudar os fãs a partilharem e a descobrirem música. Mas apesar das melhores intenções, cometemos erros muito graves e falhámos no licenciamento de direitos de autor para uma grande quantidade de música no nosso serviço. Isso estava errado. Pedimos desculpa, sem reservas”, afirma a equipa do Grooveshark em comunicado.

“Se gostam de música e respeitam os artistas, os compositores e todos os que tornam possível a existência de boa música, usem serviços licenciados e que compensem os artistas e detentores de direitos de autor”, continua, citando exemplos de boas práticas como o Spotify, o Google Play, o Deezer ou a Beats Music.

O Grooveshark foi criado em 2006 por 3 estudantes universitários e tornou-se num dos primeiros serviços a permitir a partilha e escuta de música de forma gratuita.

Lê aqui a mensagem completa da equipa:

Dear music fans,

Today we are shutting down Grooveshark.

We started out nearly ten years ago with the goal of helping fans share and discover music. But despite [the] best of intentions, we made very serious mistakes. We failed to secure licenses from rights holders for the vast amount of music on the service.

That was wrong. We apologize. Without reservation.

As part of a settlement agreement with the major record companies, we have agreed to cease operations immediately, wipe clean all the data on our servers and hand over ownership of this website, our mobile apps and intellectual property, including our patents and copyrights.

At that time of our launch, few music services provided the experience we wanted to offer ­and think you deserve. Fortunately, that’s no longer the case. There are now hundreds of fan friendly, affordable services available for you to choose from, including Spotify, Deezer, Google Play, Beats Music, Rhapsody and Rdio, among many others.

If you love music and respect the artists, songwriters and everyone else who makes great music possible, use a licensed service that compensates artists and other rights holders. You can find out more about the many great services available where you live here: http://whymusicmatters.com/find-music.

It has been a privilege getting to know so many of you and enjoying great music together. Thank you for being such passionate fans.

Yours in music,
Your friends at Grooveshark