Provavelmente, nunca viste um stop motion assim


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

O vídeo da música Change is Everything de Son Lux é baseado num conceito simples de stop motion, que envolve quadros de espuma, PVC, 200 pins e cerca de 152 metros de fio de borracha.  É um conceito simples e bonito, mas lento e bastante meticuloso.

Nathan Johson, da The Made Shop, foi o realizador e animador deste vídeo, e em conversa através de email com a NPR revelou que, ao todo, foram precisas mais de três semanas para gravar. Uma para preparar o vídeo que serviria de referência (para ajudar a guiar a colocação dos pins) e duas a gravar o vídeo final, frame a frame.

Mas a realização deste vídeo não foi apenas difícil por ser um processo meticuloso que exige algum tempo. A dificuldade começou logo a surgir no primeiro dia: de 4000 frases usaram logo 535. Para além disso, colocar os pins no sítio certo fez com que as pontas dos dedos de Nathan já estivessem feridas no terceiro dia. Como se tal não bastasse, a superfície dos quadros de espuma e PVC estava estragada e demasiado furada no quarto dia de filmagens. Tendo chegado ao ponto em que os pins voavam aleatoriamente do quadro entre frames.

Depois de estes percalços, compraram mais quadros e começaram a proteger-se com óculos de segurança.

A The Made Shop é uma loja de design americana, em Denver, Los Angeles e, segundo a sua página, às vezes em Nova Iorque. Nathan Johnson é o director de arte e o principal responsável por pegar nos projectos de design dos clientes e transformá-las em histórias visuais paralelas. Sobre este vídeo, Johnson disse à NPR que sempre gostou de arte feita através de materiais simples: “Adoro a abordagem de ‘muitas coisas pequeninas’. Em primeiro, porque significa que podes usar materiais do dia-a-dia a que toda a gente tem acesso, o que significa que é bastante realizável. Gosto da ideia de ver algo banal e mundano transformado em algo bonito e realista; e sabe ainda melhor saber que o preço de admissão é tão somente o tempo e a energia que tens para gastar”.

Aqui em baixo está o vídeo behind the scenes, que deixa claro que este é um processo moroso e meticuloso mas que, no fim, resulta tão bem.

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!