O Snapchat pode acabar com a “chatice” do dedo


Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Se és um utilizador assíduo do Snapchat, não é muito difícil perceberes que nunca, mas nunca és capaz de ver 100% do que te é enviado: tens sempre um dedo a tapar parte do ecrã e que, se retirado, faz desaparecer também o conteúdo. Apesar de estar ser a grande essência desta rede social, a verdade é que o próprio CEO já está a ficar cansado e planeia fazer grandes mudanças em breve.

“É aborrecido teres de estar a carregar com o teu dedo o tempo todo”, foi assim que Evan Spiegel, CEO do Snapchat, descreveu a forma de ver os milhões de fotos e vídeos que são enviados todos os dias na conferência Code, em Ranco Palos Verdes (Califórnia). Actualmente, o Snapchat conta com 100 milhões de utilizadores ativos, sendo que 65% envia e recebe conteúdos diariamente, com grande destaque para os vídeos.

Os vídeos são até aquilo que é mais entusiasmante mas ao mesmo tempo mais chato de ver no Snapchat, pois tens de estar a carregar no ecrã durante todo o tempo de gravação. O objectivo deste método passava por evitar que os utilizadores tirassem o tão diabólico screenshot, mas a partir do momento que surgiu a nova API que esta funcionalidade (tap to see) se tornou um pouco desnecessária.

Mas será que isto vai mudar? Bom, Spiegel não confirmou que este é o caminho, mas também não desmentiu – e a partir do momento em que o próprio CEO descreve o método como “aborrecido”, há mudanças que precisam mesmo de ser feitas…

Novas formas de ver (os novos) conteúdos

Para além de sugerir uma possível mudança na forma de visualizar os conteúdos, Evan Spiegel não desmentiu também que novos tipos de formatos estivessem a caminho do Snapchat, tais como o live streaming.

Na conferência, o CEO referiu que a empresa estava a seguir atentantamente e a aprender com serviços com essa mesma funcionalidade, como o Periscope (que foi recentemente lançado para Android, dois meses depois de sair para iOS) e o Meerkat.

Em Janeiro deste ano, e depois de mais de três anos no mercado, o Snapchat incluiu no seu leque de ofertas o Discover, um novo modo de exibir notícias (e que já dispensa a necessidade de estar constantemente a tocar com o dedo), o que levantou várias questões sobre a direção que a empresa estaria a tomar.

Se os novos serviços a caminho forem de qualidade e capazes de competir com os atuais, quem tem a ganhar são sempre os utilizadores.

A caminho da bolsa

“Precisamos de entrar fazer uma Oferta Pública Inicial (IPO)”, disse Evan Spiegel, na conferência Code. “Temos um plano para isso.” O executivo revelou que 100 milhões de pessoas usam diariamente o Snapchat, uma app que, com a última ronda de financiamento, ficou a valer 15 mil milhões de dólares.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.