Verizon vai comprar a AOL por 4,4 mil milhões de dólares


A gigante norte-americana de telecomunicações Verizon Wireless anunciou esta manhã a compra da AOL por 50 dólares por acção – o que significa um total de 4,4 mil milhões de dólares. A AOL não é apenas um dos maiores portais online de conteúdos, mas também dona de grandes media como o The Huffington Post, o Engadget e o TechCrunch.

“Dando outro passo significativo na construção de plataformas digitais e de vídeo para continuar a crescer no futuro, a Verizon Communications anunciou hoje ter assinado um acordo para a compra da AOL por 50 dólares por acção – um valor estimado total de aproximadamente 4,4 mil milhões de dólares”, lê-se em comunicado.

O negócio prevê que a AOL passe a ser uma empresa dentro do grupo Verizon. Tim Armstrong, o actual CEO da AOL, deverá continuar a liderar a distribuidora de conteúdos após a conclusão da operação.

Com mais de 250 milhões de visitantes por mês, a AOL é um portal que promete reunir o melhor conteúdo online de jornalistas, artistas e músicos. A empresa – AOL Inc – é ainda dona de marcas importantes na área dos media, como o The Huffington Post (adquirido pela AOL em 2011 por 315 milhões de dólares), o Engadget e o TechCrunch.

Em comunicado, o líder da Verizon, Lowell McAdam, relembra a visão da operadora em “oferecer aos consumidores uma experiência digital premium baseada numa plataforma de rede global e multiplataformas” e diz que esta aquisição “ajuda a nossa estratégia de fornecer ligações multiplataformas junto de consumidores, criadores e publicitários para assegurar uma experiência premium”.

A ideia é criar uma plataforma de oferta virada para a distribuição móvel, potenciando a distribuição de conteúdos digitais e, assim, ganhar força na publicidade online. A Verizon vai conseguir ganhar espaço para cumprir as suas ambições no vídeo e na publicidade em dispositivos móveis.

Por outro lado, a notícia da compra da AOL pela Verizon pode ter algumas implicações interessantes no futuro do The Huffington Post, do Engadget e do TechCrunch. Vai nascer uma próxima geração de media através do móvel e do vídeo?