Tudo o que precisas de saber sobre o que a Apple anunciou no WWDC 2015


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

A WWDC é a conferência da Apple para programadores e um dos pontos altos do ano para a comunicação social dedicada à tecnologia. A edição deste ano foi especialmente longa e nem tempo houve para a habitual apresentação inicial de estatísticas, dada a quantidade de novidades que havia para apresentar.

No caso de não teres acompanhado o nosso livetweet ou as publicações no Facebook, eis o que deves ler para ficares a par de tudo:

  • A primeira estrela da conferência foi a nova versão do sistema operativo OS X. O El Capitan (mesmo assim, em espanhol) traz melhorias relacionadas com o Safari e o Mail, mas o principal destaque vai para as pesquisas e em particular o Spotlight, a caixa de pesquisa, que ficou mais “humana” e dá-te resultados com base em pesquisas como “documentos em que trabalhei em junho”.
  • No iOS 9, o software da Apple para dispositivos móveis, a grande ovação da plateia deu-se quando foi anunciado a opção de Split View, aproveitando o espaço disponível dos iPads para correr duas apps lado-a-lado. A Notes ganhou novas funcionalidades, o Maps ficou mais amiga dos utilizadores de transportes públicos e há uma nova aplicação que deixou em alerta os donos do Flipboard a da Pulse.
  • Houve duas mulheres em palco, mas a grande protagonista da WWDC foi a Siri. A assistente pessoal ficou mais inteligente e consegue detetar elementos como fotos que tiraste numa viagem, num local específico, e apresentá-las com base numa pesquisa de voz. A aba de pesquisas apresenta recomendações e recolhe conteúdos de apps de terceiros instaladas no teu equipamento.
  • O Apple Watch teve o seu primeiro espaço numa WWDC e ganhou uma nova versão do sitema operativo. O watchOS 2 oferece uma série de permissões com o novo SDK que agradam aos programadores, novas opções para os mostradores e até um modo que mete o despertador do teu quarto numa gaveta. Foi melhorada a integração com o ApplePay e o Maps.
  • Surprise, surprise… Tim Cook prestou uma homenagem ao falecido Steve Jobs como um “one last thing”, apresentando o Apple Music. O novo serviço de streaming de músicas da tecnológica oferece grande parte dos recursos já existentes no Spotify – mais de 30 milhões de músicas – com boas novidades no preço: 15 dólares com um pack familiar de seis pessoas.
Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!