Descobrimos o porquê de tanta cor em ‘Drive’


Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Há uma razão simples pela qual os filmes do realizador dinamarquês Nicolas Winding Refn estão cheios de tonalidades altamente contrastadas de néon. Refn é daltónico.

“Eu não consigo ver os meios-tons das cores. É por isso que todos os meus filmes são muito contrastados, se não fosse assim não conseguira vê-los”, disse ao IMDb. A mesma questão surgiu em Julho de 2013 num Reddit AMA, quando um utilizador lhe perguntou qual a sua Paleta de cores favorita. “Não sei, sou daltónico”, respondeu Refn na altura.

Ser daltónico não é de todo um problema. Mesmo quando já estava surdo, Beethoven compôs obras grandiosas. A ‘Nona Sinfonia’, foi criada poucos anos antes de sua morte e foi declarada património mundial pela Unesco. Refn usou essa mesma lógica positiva, aceitou as suas limitações biológicas e criou toda uma lógica visual que conduz o espectador até à narrativa, numa paleta de cores saturadas.

Este vídeo partilhado por um utilizador no Youtube explora a cor nos filmes de Nicolas Winding Refn, mais propriamente em Drive, Bronson, Valhalla Rising e Only God Forgives.

Outros dois detalhes que o realizador dinamarquês revelou foram que o filme Drive foi feito com condutores sem carta de condução e que tenciona, um dia, fazer um filme completamente silencioso.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.