Detidos dois responsáveis pela Uber em França


 
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Dois dirigentes da Uber francesa foram levados sob custódia esta segunda-feira, segundo avança a agência noticiosa francesa AFP, citando fontes judiciais. As detenções ocorreram na sequência de uma investigação ao serviço UberPop, que, na semana passada, provocou protestos violentos de taxistas em várias cidades francesas.

A AFP não refere os nomes dos dirigentes detidos, mas de acordo com o jornal Le Monde trata-se do director-geral da Uber em França, Thibaut Simphal, e do responsável principal da Uber na Europa, Pierre-Dimitri Gore-Coty.

A investigação em causa foi iniciada em Novembro de 2014. Os executivos detidos estão a ser alvo com duas acusações diferentes. Por um lado, a Uber está a ser acusada de operar um serviço ilegal – o UberPOP – em França. Por outro, a polícia refere que a subsidiária francesa da multinacional está a esconder documentos importantes, que estão a retardar a investigação. Em Março deste ano, as autoridades fizeram uma profunda inspecção aos escritórios da Uber em França.

Os dois dirigentes da Uber francesa não foram levados sob custódia por causa dos protestos violentos da última semana. No entanto, é difícil descartar uma ligação entre os dois acontecimentos. A polícia pode ter acelerado a sua investigação na sequência dos incidentes de quinta-feira, em que os taxistas tentaram travar o UberPOP.

Na sequência das referidas manifestações, o Presidente francês, François Hollande, disse que o “UberPOP deveria ser dissolvido e declarado ilegal”, condenando, todavia, a “violência inaceitável numa democracia, num país como a França”. Já o ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve, reprimiu a Uber por não pagar os encargos sociais e fiscais no país.

O serviço UberPOP é ilegal em França desde Janeiro deste ano, mas continua activo no país, apesar de a polícia francesa ter vindo a aplicar multas aos condutores que estejam a operacionalizar o serviço. Acontece que a empresa Uber está a pagar essas mesmas multas, mantendo, assim, o serviço disponível para muitos mais potenciais clientes.

 

O UberPOP é assegurado por simples cidadãos particulares, donos de um carro, não necessariamente luxuoso; e tem um baixo custo para o passageiro, quer relativamente aos outros serviços Uber, quer em relação ao tradicional táxi. Foi proibido em Bruxelas e na Holanda, para além de França.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.