O Facebook está empenhado em ensinar as máquinas a ver, ouvir e pensar


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

O Facebook abriu recentemente o primeiro laboratório de inteligência artificial na Europa, que reforça o empenho da empresa na área. O nova equipa instalada em Paris vai trabalhar em conjunto com os escritórios de Menlo Park e Nova Iorque, ambos nos Estados Unidos.

No seu todo, o Facebook AI Research (FAIR) está a trabalhar em reconhecimento de imagem, processamento de linguagem natural e reconhecimento de voz, criando as infraestruturas lógicas e físicas necessárias para o funcionamento desses sistemas.

As descobertas podem ajudar o Facebook a criar novas formas para nos conectarmos uns aos outros e para partilharmos conteúdo. Um dos primeiros exemplos disto foi ontem conhecido: chama-se Moments e é uma app que ajuda a sincronizar fotos no teu telemóvel com os nossos amigos. O Moments reconhece os teus amigos nas fotos que tiraste numa festa, por exemplo, e permite-te partilhá-las directamente com eles.

“Um dos grandes desafios cientifícos do nosso tempo é perceber como a mente humana trabalha e de onde vem a inteligência”, escreveu Mark Zuckerberg num post no seu perfil. “Com a inteligência artificial, temos a oportunidade de criar uma nova geração de apps e serviços que sejam mais naturais, intuitivos e casino online valiosos.”

O Moments é apenas um exemplo do que a inteligência artificial e o FAIR conseguem fazer. “Agora imagina um sistema que identifica e lê em voz alta palavras num ecrã para uma pessoa cega, que ajuda uma criaçã autista a descifrar expressões faciais, ou que traduz instantaneamente sinais da rua de uma língua para outra. Estes são apenas alguns exemplos de aplicações que a tecnologia de reconhecimento de imagem que a inteligência artificial possibilita pode permitir”, escreveu Zuckerberg. “Nos próximos anos, a inteligência artificial e o reconhecimento de imagem têm a oportunidade para fazer a internet mais útil para todos.”

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!