Iron & Wine pela primeira vez em Portugal


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

O norte americano vem a Portugal pela primeira vez e na mala vai trazer Sing Into My Mouth. O mais recente trabalho, com data de lançamento prevista para 17 de Julho, surge com a assinatura de Ben Bidwell dos Band Of Horses e conta com a participação de nomes como Sade, Bonnie Raitt ou Pete Seeger.

Dono de uma voz suave e sonoridades folk que nos remetem a nomes como José Gonzalez e Bon Iver, Sam Beam é um cantautor, multi-instrumentalista e pai de cinco (filhos e discos) que, enquanto dava aulas de cinema em Miami, ia escrevendo letras.

A aventura na música começa oficialmente quando Jonathan Poneman, dono da Sub Pop Records, casa de Father John Misty e de onde fizeram parte, por exemplo, os Foals, o descobriu e decidiu propor-lhe contrato. Finalmente, em 2002, surge o primeiro trabalho, The Creek Drank The Cradle, e, daqui em diante, começava a desenhar-se um percurso cheio de álbuns, singles, participações e covers.

Our Endless Numbered Days, o segundo, sai em 2004 mas não convence o público americano e fica-se pelo 158º lugar nas tabelas, apesar do respeito da crítica. Beam volta três anos depois com The Shephard’s Dog e aqui sim, não há volta a dar. O álbum chega ao 24º lugar no billboard americano e, apesar do 74º no top britânico, a Pitchfork emoldura-o com um 8.6 Best New Music e o Metacritic, por sua vez, carimba-o com 84 em 100.

Já com o público rendido, Kiss Each Other Clean veio apenas confirmar a tendência e escalou rapidamente ao 2º lugar da tabela, apesar de não prender a crítica. O sucessor, Ghost on Ghost, de 2013, parece ter sido um retrocesso do qual Iron & Wine procura voltar neste novo disco. E nós, também.

Por tudo isto, Sam Bean é o nome mais do que certo para se fazer ecoar nas paredes do Teatro Tivoli, em Lisboa, a 1 de Novembro, e da Casa da Música, no Porto, a 2 de Novembro. Os bilhetes já estão à venda e custam 15-25 euros em Lisboa e 22-25 euros no Porto.

 

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!