Preparar-te para publicidade a sério no Instagram


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

O Facebook não se cansa de fazer dinheiro: 3,5 mil milhões foi quanto fez nos primeiros três meses deste ano, com a maior fatia a vir da publicidade. Por outras palavras, a empresa não precisa de encontrar novas formas de receita, mas isso não quer dizer que não o faça. No final de 2013, o Facebook introduziu publicidade no Instagram e usou os Estados Unidos como tubo de ensaio.

Hoje, os anúncios no Instagram estão disponíveis em 6 mercados para além do norte-americano: falamos do Canadá, da Austrália, do Reino Unido, da Alemanha, da França e do Brasil. “Temos visto alguns dos melhores marketers e agências do mundo a usarem o Instagram para alcançar os seus objectivos de marca”, diz o Instagram no seu blogue.

Os primeiros anúncios no Instagram

A introdução de publicidade no Instagram arrancou em Outubro de 2013 com todo o cuidado, para que a primeira reacção dos utilizadores não fosse negativa.

Nesse sentido, a empresa foi selectiva nos anúncios que podiam e não podiam aparecer, trabalhando apenas com grandes marcas (como General Electric, Levis, Burberry, Ben & Jerry’s, Lexus e PayPal) e garantindo o uso de imagens adequadas ao contexto Instagram.

Os anúncios começaram a ser identificados com o termo “sponsored” no canto superior da imagem; a partir desta etiqueta conseguia saber-se mais sobre o anúncio. Através das reticências no canto inferior direito da imagem, o anúncio podia ser escondido.

instagramads_02

O Instagram usou a sua própria conta para preparar a chegada da publicidade. A ideia foi dar aos utilizadores o exemplo de um anúncio e avaliar a sua reacção.

instagramads_03

No ano passado, o Instagram estendeu os anúncios ao Canadá, à Austrália, ao Reino Unido, à Alemanha e à França. O Brasil, a segunda maior comunidade de utilizadores da rede social, logo atrás dos Estados Unidos, recebeu o Instagram Ads em Abril deste ano.

O segundo passo: anúncios em Carousel

No início deste ano, o Instagram deu um segundo passo no que diz respeito à publicidade na rede social, introduzindo um novo formato de post, exclusivo para anunciantes. Disponível actualmente nos sete mercados, o Carousel permite às marcas contar uma história em até 4 imagens, que os utilizadores podem ver através de um pequeno slider.

Eis alguns exemplos:

instagramads_04

instagramads_05

Os próximos passos

Com mais de 475 campanhas criadas globalmente no Instagram, a empresa está agora focada em completar e expandir o produto. Por um lado, os anunciantes vão poder introduzir botões de acção (como “sign up” ou “install now”) juntamente com as suas imagens e ainda ter acesso a mais ferramentas de segmentação. Por outro, a rede social está empenhada em tornar o Instagram Ads em algo mais acessível, junto dos pequenos e grandes negócios.

Começando pelo início. Os botões de acção vão permitir que os utilizadores façam algo depois de ver um anúncio no Instagram, como instalar uma app, subscrever um serviço, comprar um produto e saber mais sobre algo. Pela primeira vez, vai haver posts de Instagram clicáveis.

instagramads_06

Outra mudança está na partilha de mais dados dos utilizadores com os anunciantes, de forma a permitir campanhas mais segmentadas. Por agora, as marcas que quisessem anunciar no Instagram só sabiam a idade, o sexo e o país dos utilizadores, com base na sua actividade na rede social. Mas agora os anunciantes vão ter acesso a mais informações de demografia e interesses, recolhidas através do Facebook.

Por último, o Instagram quer mais anúncios e mais anunciantes na plataforma. Para isso, vai abrir a plataforma a mais negócios, incluindo os pequenos. Não é algo que vá acontecer da noite para o dia, até porque o Facebook vai continuar a seu cuidadoso nas mudanças que introduz no Instagram, usado mensalmente por 300 milhões de pessoas.

Disponível no Canadá, na Austrália, no Reino Unido, na Alemanha, em França, no Brasil e nos Estados Unidos, o Instagram Ads está a chegar agora a Espanha. Será Portugal um dos próximos mercados?

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!