Start-up portuguesa Talkdesk consegue 15 milhões de investimento


A Talkdesk, uma start-up fundada em 2011 por Cristina Fonseca and Tiago Paiva para modernizar o call center, anunciou ter recebido um investimento 15 milhões de dólares, numa ronda liderada pela sociedade de capital de risco norte-americana DFJ em parceria com a Storm Ventures, actual investidora da start-up portuguesa.

A start-up anunciou que Josh Stein, sócio da DFJ, vai juntar-se ao seu conselho de administração.

A Talkdesk desenvolve um software que ajuda empresas a criarem call centers digitais, através dos quais os seus clientes podem pedir assistência ou dar feedback. As chamadas feitas via Talkdesk são cruzadas com as bases de dados internas das empresas, permitindo que, quando um cliente ligue, a equipa de apoio tenha automaticamente informação relevante sobre ele à sua frente para que o possa ajudar de forma eficiente e rápida. Que informação relevante é essa? Por exemplo, o seu nome, detalhes da compra que está a efectuar, quanto é que esse cliente normalmente gasta na loja…

Muito do trabalho na parte tecnológica do negócio da Talkdesk está feito, e agora é preciso começar a vender o produto agressivamente. Nesse sentido, a empresa contra contratar 40 pessoas de venda dentro de sete meses. Se tudo correr bem, a Talkdesk pode mesmo avançar para a bolsa.

Desde que foi criada em 2011 e apresentada no evento TechCrunch Dirupt em Nova Iorque em 2012, a Talkdesk tem experienciado um crescimento incrível. Ao longo dos últimos anos, passou de 6 para 70 funcionários; e ganhou escritórios em São Francisco, Portlan e Lisboa. As suas receitas também têm aumentado de ano para ano, assim como o número de clientes: contam-se mais de 2 mil, entre eles Weather.com, Homejoy, Anki, DoorDash, Whistle e Edmunds.com.

Antes desta ronda, a Talkdesk já tinha conseguido 3 milhões de dólares da Storm Ventures e da 500Startups. No total, são 18 milhões de dólares os angariados pela start-up desde o seu início em investimento.