André Carrilho vence World Press Cartoon 2015


André Carrilho, português, lisboeta, vencedor do Grande Prémio do World Press Cartoon (WPC) de 2015. O ilustrador foi distinguido, este sábado, com mais um palmarés, no evento acolhido pela vila de Cascais.

O trabalho vencedor foi publicado na edição de 10 de Agosto de 2014 do Diário de Notícias (DN) e recai sobre o sensacionalismo exacerbado com que os meios de comunicação social abordaram do tema do ébola. A imagem é forte, circulou pelo mundo e, de acordo com o júri do concurso presidido pelo cartoonista português António Antunes, foi a melhor do ano.

Carrilho colabora frequentemente com o DN e ainda com outras prestigiadas edições internacionais como The New York Times, The New Yorker e ainda Vanity Fair. O ilustrador conta com um currículo invejável pautado de inúmeras distinções (desde 1992 até ao presente ano já venceu mais de 70 prémios na área). O nome do português é já há muito incontornável dentro de Portugal e também para além fronteiras e indissociável do desenho e do cartoon.

“Parece-me que a atenção que se dá às epidemias nos media ocidentais não tem a ver com uma medida universal de sofrimento humano, mas com a maior ou menor possibilidade de nos atingirem”, contou ao jornal Público no passado ano, quando o trabalho distinguido foi apresentado. Adiantou também que “os meios de comunicação social tendem a passar de alguma indiferença para a sobreexposição e pânico, sem nunca deixarem de tratar o assunto numa perspectiva que opõe a eles e a nós”.

Carrilho não foi o único português a ser acariciado com alguma distinção. Cristina Sampaio venceu a menção honrosa, na categoria de Desenho Editorial, com um trabalho onde o tema ébola também serviu de foco criativo.

Resta agora esperar por próximos trabalhos e acompanhar o talento nacional que reforça mais uma vez a velha máxima – o que é português (também) é bom (mesmo bom).