Fomos saber como Miguel Guilherme trouxe o Evaristo para 2015


Miguel Guilherme Evaristo

Evaristo, interpretado por António Silva no clássico de 1946, é uma das personagens principais do filme O Pátio das Cantigas. É conhecido pelo seu amor por Rosa, pela sua fixação por música clássica e pela sua bela filha Celeste, encanto do guitarrista Carlos Bonito e de muitos outros que admiram as finanças desta personagem-chave.

Miguel Guilherme, o actor responsável por interpretar Evaristo na nova versão do filme, esteve à conversa com o Shifter. E isso surpreendeu-o. Perguntou como é que um site conseguia ter acesso a um evento onde só estavam os media tradicionais e ficou genuinamente feliz com o facto de a cultura ser um dos nossos focos. Agradeceu termos perguntas mais técnicas, porque acha que as perguntas aos actores são quase sempre as mesmas. Fomos surpreendidos com respostas terra-a-terra, mas sempre divertidas e dignas de partilhar.

Quando perguntámos se a sua personagem do Evaristo era baseada na personagem do filme original, a resposta foi um redundante sim. Mas ainda antes de perguntarmos porquê, tivemos logo a resposta. “Eu imaginei que o Evaristo original era o avô deste Evaristo.” E há um porquê para isso, aliás, vários.

Se n’ O Pátio das Cantigas original tínhamos um protagonista proprietário de mercearia, neste encontramos a situação replicada, mas com um twist. Este Evaristo já não é só merceeiro. É um merceeiro gourmet. Isto explica o contexto de termos um merceeiro riquíssimo, frutos que a profissão já não costuma dar hoje em dia. Esta versão actualizada faz todo o sentido num momento em que Lisboa se desdobra em versões cute e gourmet de todos os seus clássicos.

miguelguilhermepdc_02

“Este Evaristo é neto do outro Evaristo sobretudo porque os portugueses sempre gostaram de dar o nome do avô aos filhos”, conta Miguel Guilherme entre risos acerca do device que encontrou para actualizar uma personagem icónica do cinema português para um século completamente diferente. Esta ideia cronológica podia até justificar que as mercearias são as mesmas, apenas adaptadas aos tempos.

Quando questionado acerca do confronto entre popularucho e erudito na personagem e no filme, explicou que fez o melhor possível para deixar claro que Evaristo, até fruto das suas posses financeiras, é um homem que gosta do clássico e do erudito.

“Ele continua a acreditar que a Ópera pode vir a ser a música dos operários, acha-se cultíssimo.” É esta personagem de pendor intelectual que vai contracenar com César Mourão, neste filme a interpretar o famoso Narciso, outrora interpretado por Vasco Santana. É um confronto entre um personagem do bairro e um personagem do bairro com a mania das grandezas. No trailer ouvimos Evaristo soltar a pérola “Shakespeare no bairro? Ele aceitou vir?” e agora vamos descobrir como esta sua suposta pretensão vai assentar numa nova pele.

Miguel Guilherme confessa que a sua personagem vai ser sempre um saco de pancada num contexto de bairro típico, mas acredita que isso é sempre um bom passo para se diferenciar. Apesar dos dedos que lhe apontam os vizinhos, ficamos com vontade de saber como leva a vertente cultural posh do original para este novo filme.

Ou melhor, ficámos com vontade de descobrir este novo Evaristo.