Solar Impulse completa etapa mais perigosa da circum-navegação


O Solar Impulse, o avião movido somente a energia solar, completou esta sexta-feira a jornada mais perigosa na sua viagem de circum-navegação, ao ligar o Japão ao Havai.

O avião co-pilotado pelos aviadores André Borschberg e Bertrand Picard pretende ficar na história ao dar a volta ao Mundo sem uma gota de combustível, utilizando a luz solar para fazer voar o aparelho. A chave reside nas mais de 17000 células fotovoltaicas colocadas sobre a fuselagem do avião e que captam a luz solar durante o dia, armazenando-a, e permitindo à aeronave continuar a voar durante a noite. A viagem que se iniciou em Março, em Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos, terá um total de 35000 km, com várias escalas pelo caminho.

Mas foi este domingo que, ao partir do Japão, o Solar Impulse iniciou a sua mais longa e desafiante etapa: sobrevoar o Oceano Pacífico numa jornada com cerca de 8000 km. A viagem começou atribulada, com uma frente fria que fez temer o pior no início mas que foi ultrapassada.

O cansaço de cinco dias quase ininterruptamente a pilotar o avião foi outro dos factores mais difíceis para o piloto suíço, Borscheberg de 62 anos, que assumiu os comandos da etapa. O piloto dormia durante períodos de 20 minutos, verdadeiras power naps, para garantir o sucesso da missão.

Hoje, por volta do meio-dia, o Solar Impulse aterrou no aeroporto de Kalaeloa, no Havai, ao fim de mais de cinco dias de voo, o que estabelece um novo recorde para a maior viagem de avião movido a energia solar (recorde esse que já pertencia ao mesmo piloto). À chegada, Borschberg tinha à sua espera a família e o co-piloto Bertrand Piccard que assumirá os comandos do Solar Impulse na próxima etapa, que irá do Havai até Phoenix, Arizona.

Neste site poderás acompanhar a par e passo esta verdadeira epopeia dos tempos modernos e o concretizar do sonho dos dois suíços que querem mostrar a valia das energias renováveis num Mundo que se quer mais sustentável.