Vince Staples – ‘Summertime ’06’


Vince Staples, rapper de Long Beach, California, lançou no passado dia 30 de Junho o seu duplo álbum de estreia – Summertime ’06. Depois do lançamento da mixtape Hell Can Wait, onde quis dar uma amostra do que ainda estaria para vir, Vince documenta em cada faixa a temática que acompanha todo o álbum. Summertime ’06 retrata os eventos na vida do rapper desde o derradeiro Verão de 2006 em que tinha 13 anos até hoje.

Citando o seu Instagram pessoal: “Summer of 2006, the beginning of the end of everything I thought I knew. Youth was stolen from my city that Summer and Im left alone to tell the story. This might not make sense but that’s because none of it does, we’re stuck. Love tore us all apart”

O duplo álbum conta com 20 faixas, somando cerca de uma hora de curta, mas intensa, duração. Produzido de forma quase integral por No I.D, mentor de Kanye West, e com a participação de Clams Casino em algumas das faixas, proporciona ao liricismo de Vince uma sonoridade única e por vezes transcendente. Estes beats tornam este álbum compacto e unido pelo tema central, mas embebido entre basslines e trippy synths que despertam e complementam as emoções de um storytelling cru, por vezes mórbido, que é sentido ao longo de cada faixa. Staples documenta tudo o que vê e sente, numa miscelânea realista e sem pudores onde retrata a sua vida e as suas memória de forma simples, complexificada por uma introspeção do seu passado.

Na primeira metade do álbum podemos observar e nitidamente apontar quais as faixas que mais despertam curiosidade, “Lift Me Up”, “Norf Norf” e “Señorita”, onde existe uma percepção clara de que o rapper demonstra todo o seu potencial, como no tema “Lift Me Up” criando um contraste entre o seu estilo de vida em 2006 e o estilo de vida de classes mais altas:

“We love our neighborhood, so all my brothers bang the hood/ I never vote for presidents, the presidents that changed the hood/ Is dead and green, was standin’ on this mezzanine in Paris, France/ Feel despairs cause most my homies never finna get this chance”

Apesar de estas faixas possuírem um rótulo de hit song, os restantes temas não passam despercebidos, tendo participações de outros artistas como a art-rapper Kilo Kish em “Dopeman” e Jhené Aiko em “Lemme Know”. Esta primeira metade do disco acaba com “Summertime”, um tema mais calmo e sereno, quase como uma canção de amor expressa por uma voz monocórdica acompanhada por synths e samples que trazem quietude e até mesmo melancolia ao tema produzido por Clams Casino:

“Do you like the sunshine, do you like the snow?/ Do you wanna talk about it, or be alone?/ I think thay should know that, this could be forever, baby”

A segunda parte do ábum é sentida de forma mais solta e relaxada, e mesmo assim, Staples continua com seu flow e liricism que não deixa os ouvintes indiferentes ou confortáveis face ao rapper. Em “Get Paid” (segundo single do álbum) Vince, com a participação do conterrâneo Desi Mo, continua com a sua nostalgia desta vez relativa ao dinheiro e ao crime:

“Tomorrow never come/ I’m on the block all night ‘til the sun/ Come up, I can sleep when I’m done/ Four deep, five seats, three guns/ Hopped out nigga, where you from?/ Long clip, gun aimed, don’t run/ On Crip I need your funds”

Duas outras faixas que despertam curiosidade são “C.N.B.” e “Like It Is”, que parecem sair de uma produção de Kanye West, onde é evidente a influência do Auto-Tune nas suas introduções. Ambas as faixas terminam o duplo ábum de forma serena mas nunca perdendo a lírica de Staples e a sonoridade do produtor No. I.D.

Vince Staples tem apenas 21 anos mas já lançou inúmeras EP’s e mixtapes, desta vez foi a altura do seu primeiro álbum de estreia onde decidiu arriscar num duplo álbum, mas um álbum seguro apesar de ser uma viagem com altos e baixos. Summertime ’06 poderá ser considerado um álbum de gansta rap, mas Vince trás consigo muito mais que isso, trás uma vida consciencializada pelas ruas e bairros de Long Beach.