‘3%’ é a primeira série brasileira com o carimbo do Netflix


O Netflix anunciou esta quinta-feira a sua primeira brasileira. Chama-se 3%, e começará a ser filmada no início de 2016, com estreia prevista no serviço no mesmo ano. Produzida pela Boutique Filmes, a primeira temporada será dirigida por Cesar Charlone (City of God, Blindness) e terá no elenco principal João Miguel (Estômago, Xingu, Felizes Para Sempre?) e Bianca Comparato (Avenida Brasil, Sete Vidas, Irmã Dulce).

3% vai ser um thriller futurista sobre uma sociedade dividida entre o progresso e a devastação, em que apenas 3% da população tem hipóteses de sobreviver e de ter uma vida melhor. Através da Boutique Filmes, a série chegou a ter 3 episódios piloto de menos de 10 minutos, publicados no YouTube. Podes vê-los de seguida:

Resta esperar para saber se o material já produzido influenciará ou servirá de inspiração para o novo projecto. “No fundo, a série questiona a dinâmica da sociedade que impõe constantemente processos de selecção, pelos que todos nós temos que passar, quer gostemos, quer não”, disse em comunicado Cesar Charlone, que dirigiu a longa-metragem O Banheiro do Papa, e que trabalhou como director de fotografia ao lado do realizador Fernando Meirelles nos filmes Cidade de Deus, Ensaio sobre a Cegueira e O Jardineiro Fiel. Já o argumento vai ficar a cargo de Pedro Aguilera. 3% será gravado em Ultra HD 4K.

Quatro anos depois de chegar ao Brasil, o Netflix está a abrir portas à produção local. Note-se, todavia, que o serviço já apostou em outro conteúdo próprio para aquele país, através da compra de direitos – por exemplo, “A Toca”, uma série cómica produzida por Felipe Neto e outros criadores do popular canal de YouTube Não Faz Sentido.

“Juntarmo-nos a uma das redes mais inovadoras do mundo é muito entusiasmante. A vontade do Netflix de investir em conteúdo brasileiro, talentos locais e histórias criativas é fundamental para crescermos enquanto indústria”, refere Tiago Mello, produtor executivo da série. “A história foi originalmente criada há uns anos e agora estou emocionado por ela se transformar numa série original do Netflix.”

Séries originais têm sido uma aposta forte por parte do Netflix. Por um lado, a empresa precisa de criar conteúdos que as pessoas não encontrem em mais lado nenhum para as convencer a subscrever o serviço. Por outro, apesar de ser uma multinacional, o Netflix quer ter atenção aos mercados locais, produzindo séries/filmes para cada um deles em vez de simplesmente distribuir produtos globais como House Of Cards ou Orange Is The New Black.

A Portugal, o Netflix vai chegar em Outubro deste ano. A empresa também já se mostrou empenhada em apoiar projectos portugueses.