Uma campanha de preservativos que te vai deixar sem pica nenhuma


 

Este é um daqueles casos em que tudo está alinhado para conseguir chegar a um final feliz (nada a ver com o sudeste asiático). O produto é bom – um dos preservativos mais finos do mercado, segundo a marca – e o insight e conceito são criativamente excitantes. Tantos pontos positivos teriam tudo para acabar num grande trabalho, que obviamente deixaria o cliente em êxtase e a equipa que o idealizou orgulhosa pelo resultado final. Mas por vezes o entusiasmo em excesso pode levar a uma precocidade que faz com que a ideia e o resultado final acabem por ficar meio… moles.

Os preservativos Okamoto lançaram esta semana uma série com 3 filmes de 15 segundos cada com um conceito tão simples e tão verdadeiro que não dá para não aplaudir de pé: tão finos que vais ter de pensar noutra coisa. Tau. Assim, mesmo na face. Tudo batia certo na equação: uma marca de preservativos desconhecida no ocidente sem nada a perder + uma agência média no mercado americano pronta para dar o salto e fazer-se ouvir no mundo + um conceito tão verdadeiro quanto a excitação dos criativos ao chegar até ele. O que falhou então senhores? Um dos factores mais importantes: A EXECUÇÃO.

É graças a uma materialização que roça o amador e um casting perto do hediondo (safa-se a miúda e o pepino) que esta série de filmes não é algo mais do que uma campanha mediana. Criada pela agência Marcus Thomas, todos os filmes partem sempre da mesma base: um plano do ponto de vista do protagonista, uma rapariga em poses sexy e uma respiração ofegante. Até aqui tudo ok, meio softcore anos 90, mas aceitável para o produto em questão. O pior vem depois. Desde a simulação fake-que-dói do pestanejar até ao fecho com um vizinho esquisito a dançar ao som de música ridícula, tudo podia ter sido pensado, realizado e executado de forma diferente, evitando o desconforto intelectual e possíveis caras de espanto negativo de quem está a ver. Mas infelizmente não foi. E o que poderia ter sido um gigante “oh si!” acabou por ser só um “já está?”.

Até podemos concluir que esta é uma campanha bastante eficaz do ponto de vista criativo. Afinal, o resultado final também acaba por nos fazer pensar noutra coisa um bocadinho mais excitante.

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.